sábado, 6 de agosto de 2016

O Referendo no Reino Unido Eis a Questao, Brexit ou Remain

 

Era uma uma vez um referendo em que so os britanicos poderiam votar mas em qual toda a Europa estava de olhos postos. Nao era apenas uma pergunta que se fazia no referendo que preocupava muitos o Brexit (saida) ou o Remain (permanencia) para alguns o resultado podia trazer fortes consequencias bem desagradaveis, como infelizmente veio a acontecer.

A questao nao era apenas a continuidade de mais um Estado Membro mas em caso de saida as causas economicas, financeiras que poderia vir a causar e como se veio a comprovar tambem com Irlanda do Norte, Escocia a votarem no Remain e com o Pais de Gales e Inglaterra a votarem Brexit veio a comprovar que a continuidade do Reino Unido podera tambem vir a ser uma questao de tempo, a nao concordancia entre todos os elementos do Reino mostrou que um Imperio, um pais, tradicoes e culturas estao prestes tambem a ser destruidas pois e certo que com este resultado a Escocia e talvez ate a propria Irlanda do Norte poderao vir a fazer um referendo para pedir a independencia do Reino Unido e no caso da Escocia o resultado ao que indica sera bem diferente do que foi em 2014. Alguns analistas politicos salientam que a principal razao pela qual a Escocia em 2014 ficou no Reino Unido foi justamente para permanecer na Uniao Europeia (UE), agora tudo podera ser diferente.

Sou Imigrante no Reino Unido em Inglaterra e as futuras novas politicas de emigracao poderao vir a como a todos os outros a causar maiores dificuldades de legalizacao, nao tenciono ir-me embora apesar de me sentir numa terra mal agradecida. O referendo foi realizado sobretudo para se criar novas politicas a entrada de imigrantes no Reino Unido e para se poder correr com muitos no entanto sao os imigrantes aqueles que trabalham que fazem o que esta potencia chamada Reino Unido ser o que e hoje. Nao se veem inglesese no Metro em Londres as 04:00 para ir trabalhar, estou certo que este povo ainda se vai arrepender da decisao que tomou sem nos imigrantes este pais voltara a ser o que era antes da chegada da Primeira Ministra Margaret Hilda Thatcher, Baronesa Thatcher de Kesteven (1925-2013) que governou como Primeira-Ministra entre 1979 e 1990 com pulso de ferro e que deixou de ser um pais de grevistas para passar a ser a potencia Industrial, Economica e Financeira que todos hoje conhecemos. Estou certo que nao seria este destino que a mesma quereria para o Reino Unido a saida da Uniao Europeia nao sera um passo atras mas o principio de muitos.

No entanto entendo o desagrado de alguns britanicos em quererem sair da Uniao Europeias por tal como amigos meus me contaram era inaceitavel ver estrangeiros que nao queriam trabalhar e que estavam em casas do City Council, a viver de subsidios do Estado. Entendo bem a razao de muitos e eu proprio acabei por assistir certa vez a uma situacao em que um refugiado vai com as voucher que recebia da Seguranca Social por ordem do Estado as compras. Era de esperar que comprasse comida com as voucher ou bens essenciais acabou por comprar unicamente tabaco, latas de cerveja e uma garrafa de vodka. Tais atitudes comecaram a revoltar o povo e uma amiga minha disse-me que nao tem nada contra a quem quer vir para o Reino Unido trabalhar e trabalha tal como eu mas nao podia aceitar tal situacao e se tinha a oportunidade de mudar iria tentar faze-lo com o seu voto. Pessoalmente creio que os britanicos so nao entenderam uma coisa isso nao se resolvia com a saida da Uniao Europeia mas com o Estado Britanico a deixar de consentir tal situacao, cortando subsidios, obrigando a ir trabalhar e sobretudo a controlar a entrada de ilegais. Continuo e continuarei a pensar que continua o Reino Unido a necessitar mais da Uniao Europeia do que a Uniao Europeia a necessitar do Reino Unido.


O referendo sobre a permanencia na Uniao Europeia foi um referendo com votacao pelo povo que aconteceu em 23 de Junho de 2016 com o unico intuito de decidir o futuro do Reino Unido na Uniao Europeia. A permanencia britanica no Bloco Economico tem sido controversa (muitas vezes sendo visto como o menino rebelde ao ponto de nao aceitar a moeda unica) e, constantemente, motivo de debates desde que o Pais se juntou a Comunidade Ecocomica Europeia (CEE, ou "Mercado Comum") em 1973. A votacao terminou para aquilo que eu ja esperava embora muitos fossem e estivessem bem mais optmistas (da minha parte confesso que nao era pessimismo mas bem mais realismo) com uma vitoria para os que eram favoraveis a saida do Reino Unido da Uniao Europeia (Brexit) com 52% dos votos validos contra 48% daqueles que queriam que a nacao permanecesse na Uniao Europeia (devo dizer que estava a espera que a vitoria do Brexit fosse esmagadora acima de 60% da forma como via os ingleses falarem e fiquei supreendido quando na primeira sondagem a permanencia ganhava eram os votos de Gibraltar).

Elaborado pelo Partido Conservador, o manifesto que pedia um referendo foi apresentado e aprovado no Parlamento do Reino Unido, em 2015. Seria a segunda vez que os britanicos seriam convidados a votar sobre a presenca da Gra-Bretanha no mesmo Bloco Economico. Em 1975 dois anos depois de terem aderido ao mesmo, 67% do eleitorado votaram favoravel a inclusao do Pais, como Estado-Membro da Uniao Europeia

Os defensores da saida do Reino Unido da mesma Uniao Politica e Economica - referida em termos comuns simplesmente como Brexit (uma siglonimizacao na Lingua Inglesa, tendo como base "British" e "Exit", respectivamente "Britanico" e "Saida" portanto considera-se que o significado fosse saida britanica -, argumentaram que a Uniao Europeia trazia um Deficit Democratico e mina a Soberania Nacional de seus membros, ao passo que os que eram favoraveis pela permanencia os "Remain" do pais, diziam que em um mundo com muitas organizacoes supranacionais, qualquer perda de soberania e compensada por beneficios da adesao a Uniao Europeia. Para o primeiro grupo, a saida do Pais da Uniao Europeia permitiria que a nacao tivesse maior controlo da emigracao, gerando assim uma diminuicao pela busca de servicos publicos, habitacao e emprego; geraria uma ecomia de bilhoes, devido as taxas pagas pelo Pais ao bloco; e daria autonomia para o Reino Unido firmar seus proprios acordos comerciais. libertando-se assim das burocracias e das politicas regulamentadoras da UE, que sao classificadas por eles de "desnecessarias e caras". O segundo grupo que queriam a permanencia do Pais na Uniao Europeia, alegavam que a saida do Pais do bloco geraria um risco a propriedade nos paises-membros do Reino Unido; haveria uma diminuicao da influencia sobre assuntos internacionais; colocaria mesmo em risco a Seguranca Nacional, uma vez que o Pais deixaria de contar com o acesso livre ao Banco de Dados Comum de Criminosos da Europa; alem de comecar a ter conflitos comerciais entre o Reino Unido e a Uniao Europeia. Alem disso, eles ainda argumentaram e alegaram que a decisao da saida, iria gerar a perda de empregos, atrasos nos investimentos e traria riscos para as empresas britanicas.

A Organizacao "Reino Unido mais Forte na Europa", em traducao literal, foi o principal Grupo que fez a sua campanha pela permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia, enquanto o "Vote pela Saida", em traducao literal, era o principal grupo opositor, isto e, que fez toda a sua campanha para a saida do pais do bloco (infelizmente saiu vitorioso, na politica nao e como nos filmes e aqui os bons perdem).

Os resultados foram divulgados no dia seguinte a votacao logo pela manha e deram a vitoria ao Movimento Brexit, por mais de um milhao de votos em favor da saida do Reino Unido da Uniao Europeia.


A Tabela abaixo mostra apenas os partidos politicos que possuem assentos na Camara dos Comuns do Reino Unido, no "devolution" e no Parlamento Europeu:

Partidos Politicos - Posicao:

. Partido da Alianca da Irlanda do Norte - Permanencia.
. Partido Verde da Inglaterra e do Pais de Gales - Permanencia.
. Partido Verde - Permanencia.
. Partido Trabalhista - Permanencia.
. Liberal Democratas - Permanencia.
. Plaid Cymru - O Partido do Pais de Gales - Permanencia.
. Partido Verde Escoces - Permanencia.
. Partido Nacional Escoces (SNP) - Permanencia.
. Sinn Fein - Permanencia.
. Partido Social Democrata e Trabalhista (SDLP) - Permanencia.
. Partido Unionista do Ulster (UUP) - Permanencia.
. Partido Unionista Democratico (DUP) - Saida.
. Alianca Antiausteridade (PBP) - Saida.
. Voz Unionista Tradicional (TUV) - Saida.
. Partido da Independencia (UKIP) - Saida.
. Partido conservador - Neutro.

Sendo que eram 16 partidos em que apenas 4 se mostravam a favor da saida e 1 era neutro os restantes 11 eram a favor da permanencia isso quer dizer que a Permanencia teria ganho se fossem os deputados a decidir a questao em votacao no Parlamento. Ja passado quase um mes serve de capa de jornais a noticias que os deputados nao querem que o mesmo referendo seja valido e exigem um debate acerca de um segundo referendo (creio que se derem a mesma oportunidade a ambas as partes de se expressarem, mostrarem e apresentarem as suas ideias o resultado pode ser bem diferente, eles proprios reconhecem que o povo estava mal informado).

Houve um verdadeiro conflito de geracoes tambem enquanto a maioria dos mais velhos votaram pela saida os mais novos dando neste caso o bom exemplo votavam na permanencia. Os mais velhos alegavam que votavam a pensar no presente e nao no futuro. Sendo tambem nos mais jovens que houve o maior numero de nao irem votar por estarem indecisos mostra que se tivessem ido o resutado poderia ter sido diferente, ficar em casa nao ajudou em nada. Foi um erro ter-se colocado a questa neste ponto mas julgo que nao poderia ser de outra maneira considero que se acabou por fazer uma questao a pessoas que nao estavam preparadas para responder a mesma e algumas so depois da votacao foram ver na internet pesquisar no Google questoes como, o que era a Uniao Europeia?

Entre os partidos menores, o Gra-Bretanha Primeiro, o Partido Nacional Britanico (BNP), o Eirigi, o Partido Respeito, a coligacao Sindicalista e Socialista (TUSC), o Partido Social Democrata (SDP), e o Independencia da Europa, apoiaram tambem a saida do Reino Unido da Uniao Europeia (isto demostra que os pequenos partidos neste caso obtiveram infelizmente uma grande vitoria). O Partido Socialista Escoces (SSP), apoiou a permanencia, enquanto o Partido da Igualdade das Mulheres (WE) nao teve nenhuma posicao oficial ao mesmo respeito.

Todos os partidos representados no Parlamento de Gibraltar apoiaram a permanencia: os Social Democratas (GSD), Partido Socialista Trabalhista de Gibraltar (GSLP) e o Partido Liberal de Gibraltar.

O Gabinete do Reino Unido, orgao responsavel pelas decisoes politicas e estruturais dos departamentos governamentais, presidido pelo Primeiro-Ministro David William Donald Cameron (1966) ao lado dos chefes ministerias do governo, apos o anuncio da realizacao do referendo, em Fevereiro, apoiaram a permanencia do Pais no Bloco Economico. Foram 23 votos favoraveis, dos 30 ministros. Iain Duncan Smith (1954), que votou a favor da saida, renunciou ao cargo em 19 de Marco e foi substituido por Stephen Crabb (1973) que era a favor da permanencia.


Logo desde o inicio dos resultados serem divulgados varios paises pelo mundo fora em particular da Europa e nao so foram se manifestando diante do sucedido.

Paises Europeus:

. Franca:

Marine Le Pen (1968), Lider da Frente Nacional Francesa, descreveu a possibilidade de um Brexit como "a queda do Muro de Berlim", e acrescentou que tal decisao seria "maravilhosamente extraordinaria para todos os povos da Europa, que anseiam por liberdade". Ela e da opniao e acredita que todos os paises do bloco deveriam fazer o mesmo realizando um referendo para que a populacao pudesse decidir e, afirma que assim fara em Franca, caso seja vencedora das proximas eleicoes presidenciais francesas em 2017. Uma pesquisa que tinha sido realizada em Novembro de 2015, mostrou que 59% dos franceses eram a favor da permanencia da Gra-Bretanha na Uniao Europeia. Poucos dias antes do referendo no Reino Unido, os franceses curiosamente mudaram de opniao, e um novo estudo mostrou que a Franca era no momento o Pais do bloco que mais apoiava o Brexit ou seja a saida do Reino Unido da Uniao Europeia. "A Franca era o unico Pais do bloco onde mais de um quarto do publico a dizer que seria positivo para a UE se o Reino Unido saisse", mostrou o novo estudo. O Ministro da Economia, Financas e Industria da Franca, Emmanuel Macron (1977), declarou em entrevista que o referendo mostra que a Uniao Europeia esta "no fim de uma Europa Ultraliberal que ja nao tem Projecto Politico". Ele defende uma mudanca maior no Bloco Economico e, apesar de se ter mostrado favoravel a atitude britanica de convocar a populacao para decidir, classifica o mesmo referendo como sendo "Perigoso", considerando mesmo que tal atitude faz com que os restantes paises do bloco se tornem refens.

. Italia:

O Movimento 5 estrelas, que se apresentou como alternativa aos partidos tradicionais no Pais nas ultimas eleicoes, e conseguiu mesmo bons resultados elegendo prefeitos em varias cidades de Italia, apoia um referendo para que os italianos escolham se preferem continuar na Uniao Europeia tendo o Euro como Moeda. Para eles, o referendo realizado no Reino Unido, obriga os politicos italianos a repensar a presenca do pais no bloco.

. Republica Checa:

O Primeiro-Ministro da Republica Checa Bohuslav Sobotka (1971) sugeriu que o seu Pais iria iniciar um debate sobre uma possivel saida do bloco no futuro, caso o Reino Unido votasse a favor pela saida. O ex-Presidente checo Vaclav Klaus (1941) disse que a saida da Gra-Bretanha da Uniao Europeia seria um evento tao grande quanto a Dissolucao da Checoslovaquia em 1991.

. Portugal:

Em representacao de Portugal Augusto Ernesto dos Santos Silva (1956) Professor Universitario, Sociologo, Politico e actual Ministro dos Negocios Estrangeiros, disse que Portugal tem uma "enorme vontade" que o Reino Unido permaneca como Estado Membro da Uniao Europeia. "O Reino Unido e muito importante para a Uniao Europeia. A Uniao Europeia nao sera a mesma sem o Reino Unido, mas evidentemente continuara sem o Reino Unido, mas com o Reino Unido nos teremos melhores condicoes para o impulso de que todos precisamos", disse o Ministro portugues.

O Reino Unido e o quarto maior parceiro internacional de Portugal, porem, a Imprensa Portuguesa acredita que a saida do Pais do Bloco Economico, poderia criar instabilidade nos mercados e restricoes aos emigrantes portugueses no Reino Unido. O Economista Rui Bernardes Serra disse a Agencia Lusa que a Economia Portuguesa teria seu crescimento abrandado ou estagnado, sendo o Turismo, cujo o peso dos britanicos representam 20,2% teria uma queda, resultado de uma "recessao que o Reino Unido vivenciaria, bem como a queda da Libra, que tornaria as viagens ao estrangeiro bem mais caras".

Durante uma entrevista, Santos Silva disse que o Governo portugues ira trabalhar para "acautelar os interesses dos portugueses, qualquer que fosse o resultado do referendo (do meu ponto de vista o resultado foi o pior, tambem so haviam duas escolhas), seja ele a permanencia ou a saida", sendo que, se o Pais optar pela permanencia (infelizmente nao optou), Portugal ira acompanhar os acordos firmados, ao passo que, se os britanicos optassem pela saida, o Pais iria trabalhar pelos interesses dos emigrantes no Reino Unido.

Antes mesmo do fim da contagem dos votos, o Ministro Santos Silva declarou que a permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia representaria uma "vitoria politica", ressaltando que, independentemente do resultado final, o interesse dos emigrantes seria a prioridade.

Paises Nao Europeus:

. Brasil:

Durante um encontro de representantes do Governo brasileiro como membros da Confederacao das Industrias Agricolas do Reino Unido, em Londres, um Alto Funcionario do Brasil foi questionado sobre qual era a opniao e posicao do Pais em relacao ao Brexit - o referendo sobre a permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia. A resposta do mesmo foi que a prioridade do Governo brasileiro "e negociar com a Uniao Europeia e nao com o Reino Unido individualmente".

Organizacoes Internacionais:

. G20:

Em Fevereiro de 2016, os ministros financeiros das maiores economias do G20 avisaram que a saida da Uniao Europeia, levaria em um "Choque" na Economia Global.

. Fundo Monetario Internacional:

Tambem em Fevereiro de 2016 Christine Lagarde (1956) uma Advogada e Politica francesa actual Directora-Gerente do FMI, alertou que a incerteza acerca do referendo seria, "em si", ma para parte da Economia Britanica. Ela acrescentou que a saida do Reino Unido da Uniao Europeia e "obrigatoriamente negativa de todos os modos".

Outros Paises:

. Repblica Popular da China:

O Presidente chines Xi Jinping (1953) disse, em Outobro de 2015, que apoiava a permanencia da Gra-Bretanha na Uniao Europeia: "A China espera ver uma Europa prospera e uma Uniao Europeia unida, e esperava que a Gra-Bretanha, como um Membro importante da UE, pudesse vir a desempenhar um papel ainda mais positivo e construtivo na promocao do aprofundamento do desenvolvimento de lacos entre a China-UE.

. Estados Unidos da America:

No mesmo periodo, Michael B. Froman (1962), do Departamento de Comercio dos Estados Unidos da America, declarou que o Pais nao estava interessado em um Acordo de Livre Comercio com o Reino Unido, caso os britanicos viessem a optar por sair da Uniao Europeia, indo de encontro com uma das teses dos que eram a favor do Brexit, que consideravam que a Gra-Bretanha teria melhores condicoes de negociacoes e acordos de livre comercio bilaterais com seus parceiros comerciais. No mesmo mes, o Embaixador dos Estados Unidos para o Reino Unido, Matthew Winthrop Barzun (1970), reiterou a declaracao de Froman, afirmando que o Reino Unido e "melhor e mais forte" permanecendo no bloco e que, apesar de ser uma escolha do povo britanico, e do interesse dos Estados Unidos a permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia.

. Indonesia:

O Presidente da Indonesia Joko Widodo (1961). declarou durante uma viagem sua a Europa que nao era a favor do Brexit. Ranil Wickremesinghe (1949), Primeiro-Ministro do Sri Lanka, emitiu uma nota dizendo estar "muito preocupado" com a possibilidade de saida do Reino Unido da Uniao Europeia.

. Moldavia:

O Primeiro-Ministro da Moldavia Pavel Filip (1966), pediu aos cidadaos de seu Pais que vivessem no Reino Unido que conversassem com amigos britanicos numa tentativa de os tentar convencer a que os mesmos votassem pela permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia.

. Russia:

O Presidente russo Vladimir Vladimirovitch Putin (1952) afirmou que a questao sobre a saida do Reino Unido da Uniao Europeia "nao e um assunto" da Russia, e que nao queria dar a sua opniao sobre qual seria a melhor decisao. Disse apenas que desejava que os cidadaos britanicos votassem e que o fizessem "bem informados e que conhecessem as consequencias" de uma eventual saida. Maria Vladimirovna Zakharova (1975) Porta-Voz do Ministerio das Relacoes Exteriores da Russia, reiterou a declaracao do Presidente Putin, dizendo que o Pais "nao tem nada a fazer com o Brexit". "Nao estamos envolvidos neste processo de forma alguma, e nem temos qualquer interesse nele".


A votacao para o referendo se iniciou logo pela manha e foi no meio da semana numa quinta-feira tendo inicio as 07:00 ate as 22:00 (06:00 ate 21:00 em Gibraltar) no Horario de Verao Britanico, em 41 mil zonas eleitorais e 383 locais de votacao, sendo cada local limitado pelo maximo de 2500 eleitores. O referendo foi realizado em todos os quatro paises do Reino Unido (Inglaterra, Escocia, Pais de Gales e Irlanda do Norte), bem como em Gibraltar, com um unico voto da maioria. As areas de voto foram agrupadas em doze grupos regionais, onde houve declaracoes separadas para cada uma das contagens.

Na Inglaterra, assim como no Referendo de 2011 sobre as mudancas eleitorais no Pais, os 326 distritos foram utilizados como locais da votacao, que contaram com nove locais de contagens regionais. Na Escocia e no Pais de Gales, foram utilizados 32 locais como locais de votacao. A Irlanda do Norte, tal como no seu ultimo referendo, contou com um unico local para a contagem de votos. De modo semelhante, Gibraltar, com uma unica Area de votacao e seu resultado adicionado e contabilizado junto com a Regiao Sudoeste da Inglaterra.

A tabela que se segue mostra a reparticao das areas de voto e de contagem regionais utilizadas para o referendo:

Pais: Reino Unido.
. Contagem e areas de voto: Declaracao do resultado do referendo; 12 grupos de contagem de votos; 383 locais de votacao.

. Inglaterra:
Contagem e areas de votos: 9 grupos de contagem de votos; 326 locais de votacao.
. Irlanda do Norte:
Contagem e areas de votos: Contagem nacional e Area de votacao limitada; 18 locais de votacao.
. Escocia:
Contagem e areas de votos: Contagem nacional; 32 locais de votacao.
. Pais de Gales:
Contagem e areas de votos: Contagem nacional; 22 locais de votacao.
. Gibraltar (Territorio Britanico Ultramarino):
Contagem de votos: Area de votacao unica (Tribunal Regional: Sudoeste de Inglaterra).

O resultado final do referendo foi anunciado por Jenny Watson (1964), Presidente da Comissao Eleitoral, na cidade de Manchester em 24 de Junho de 2016.

. Resultado sobre a permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia:

Saida: 17.410.742 votos - 51,89%.
Permanencia: 16.141.241 - 48,11%.
Votos Validos: 33.551.983 - 99,92%
Anulados ou em branco: 26.033 - 0,08%.
total de votos: 33.578.016 - 100%.
Eleitores registados e comparecimento: 46.499.537 - 72,21%.

Logo apos o horario de encerramento (22:00), o Lider do Partido da Independencia, Ningel Paul Farage (1964), admitiu a derrota do "Deixar", com base das pequisas feitas a boca das urnas durante todo o dia. Horas depois, Farage voltou atras, ao perceber que os votos pela saida do Reino Unido, que comecou o inicio da divulgacao dos resultados a perder (os primeiros resultados eleitorais a serem divulgados foram os de Gibraltar e ai o permanecer ganhou as primeiras sondagens apontavam para 52% pela permanencia), quase no final da votacao eram ja um maioria de quase 2% dos votos, Farage disse que comecou "a sonhar que a aurora a um Reino Unido independente".

Resultados por regiao:

. Inglaterra com Gibraltar:

Comparecimento: 28.455.402 - 73,0%.
Permanecer: 13.266.996 - 46,6%.
Sair: 15.188.406 - 53,4%.

. Leste da Inglaterra:

Comparecimento: 3.328.983 -75,7%.
Permanecer: 1.448.616 - 43,5%.
Sair: 1.880.367% - 56,5%.

. Londres:

Comparecimento: 3.776.751 - 69,7%
Permanecer: 2.263.519 - 59,9%.
Sair: 1.513.232 - 40,1%.

. Midlands Ocidentais:

Comparecimento: 2.962.862 - 72,0%.
Permanecer: 1.207.175 - 40,74%.
Sair: 1.755.687 - 59,26%.

. Midlands Orientais:

Comparecimento: 2.508.515 - 74,2%.
Permanecer: 1.033.036 - 41,2%.
Sair: 1.475.479 - 58,8%.

. Nordeste da Inglaterra:

Comparecimento: 1.340.698 - 69,3%.
Permanecer: 562.595 - 42,0%.
Sair: 778.103 - 58,0%.

. Noroeste da Inglaterra:

Comparecimento: 3.665.645 - 70,0%.
Permanecer: 1.699.020 - 46,35%.
Sair: 1.966.625 - 53,75%.

. Sudeste da Inglaterra:

Comparecimento: 4.959.683 - 76,8%.
Permanecer: 2.391.718 - 48,2%.
Sair: 2.567.965 - 51,8%.

. Sudoeste da Inglaterra e Gibraltar:

Comparecimento: 3.172.730 - 76,7%.
Permanecer: 1.503.019 - 47,37%.
Sair: 1.669.711 - 52,63%.

. Yorkshire e Humber:

Comparecimento: 2.739.235 - 70,7%.
Permanencia: 1.158.298 - 42,29%.
Sair: 1.580.937 - 57,71%.

. Escocia:

Comparecimento: 2.679.513 - 67,2%.
Permanencia: 1.661.191 - 62,0%
Sair: 1.018.322 - 32,0%.

. Irlanda do Norte:

Comparecimento: 790.149 - 62,9%.
Permanencia: 440.707 - 55,8%.
Sair: 349.442 - 44,2%.

. Pais de Gales:

Comparecimento: 1.626.719 - 71,7%.
Permanencia: 772.347 - 47,5%
Sair: 854.372 - 52,5%.

Para alem de mal preparado e informado uma parte do eleitorado nao mostrou grande interesse no referendo estando qualquer zona longe de atingir 80% de votos do eleitorado e algumas nem chegaram aos 70%. O Sudeste da Inglaterra com 76,8% foi a zona com maior numero de eleitores a irem as urnas ja a Irlanda do Norte com 62,9% foi a zona onde os eleitores quando se jogava o futuro do destino do Pais optaram por ficar em casa (creio que tomaram uma posicao tipo de Poncio Pilatos, lavando dai as suas maos). As zonas onde a Permanencia ficou a vencer tambem foram algumas das que menos eleitores marcaram presenca nas urnas o que creio nao veio a ajudar muito a situacao para a Permanencia.


As consequencias nao se fizeram esperar, no dia seguinte a votacao, e apos o anuncio do resultado do mesmo referendo, a Primeira-Ministra da Escocia, Nicola Ferguson Sturgeon (1970), afirmou que um segundo referendo pela independencia da Escocia em relacao ao Reino Unido estava "em cima da mesa". A maioria dos escoceses votaram pela permanencia britanica no bloco, e Sturgeon, que era a favor do mesmo, disse que seu governo estava trabalhando para aprovar uma emenda que possibilite um novo referendo - semelhante ao ocorrido em 2014 - onde se questionava os escoceses sobre a continuidade da Escocia no Reino Unido e onde o sim a continuidade viria a ganhar muito em parte pelo desejo dos escoceses continuarem na UE.

Alexander Elliot Anderson Salmond (1954) Politico e ex Primeiro-Ministro do Pais, disse que a votacao do referendo pela saida da Gra-Bretanha da Uniao Europeia, tinha sido uma "mudanca" significativa e real de como a Escocia se posiciona em relacao ao Reino Unido, e que apoiara a realizacao de um segundo referendo pela independencia do Pais. Para alem de Salmond, Anthony Charles Lynton "Tony" Blair (1953), que foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 1997 e 2007, afirmou que a Escocia iria deixar o Reino Unido, caso o Pais optasse por deixar o Bloco Europeu.

Manfred Weber (1972) um Politco alemao, Lider do Grupo do Partido Popular Europeu, e aliado-chave de Angela Dorothea Merkel (1954), afirmou que a Escocia seria Bem-vinda, caso viesse a optar por ser Membra da Uniao Europeia.

James Martin Pacelli McGuinness (1950), o actual Vice Primeiro-Ministro da Irlanda do Norte, pediu uma votacao sobre a unificacao das duas irlandas (Irlanda do Norte e Republica da Irlanda), diante do referendo que o povo pediu a saida britanica da Uniao Europeia. Mais de metade dos irlandes, exactamente cerca de 56% votaram favoraveis a permanencia do Reino Unido na Uniao Europeia. O Partido Nacionalista Irlandes Sinn Fein publicou uma nota em seu site, dizendo que um referendo sobre a uniao das irlandas e um "imperativo democratico" compentente ao Governo irlandes e aos partidos nacionalistas "O Norte da Irlanda votou para ficar na Uniao Europeia. O Governo britanico nao pode ir agora negociar em nome daquele povo para sair da Uniao Europeia", disse (e com toda a razao) um Eurodeputado do partido.

Em resposta ao pedido de Sinn Fein, Arlene Isabel Foster (1970), tratou de informar que nao haveria referendo algum sobre uma possivel uniao das irlandas e que o pais "nao tem nada a temer". Em entrevista a BBC Radio Ulster, Foster disse considerar o resultado "bom para o Reino Unido".


Em analise final pergunto inicialmente quais foram os efeitos deste referendo? Sem duvida que apenas a desuniao entre os estados que formam os Reino Unido mas e assim mesmo que votaram, foi assim mesmo que quiseram e irao pagar as consequencias se seguirem em frente.

O Reino Unido preferiu optar pela "liberdade" liberdade essa que julgo que nunca lhes foi tirada e escolheram a saida do pais da Uniao Europeia pondo agora em causa a continuidade do proprio Reino Unido, uma continuidade secular bem mais antiga que qualquer Uniao Europeia preferindo mesmo destruir e terminar por completo com um Pais que eles diziam querer de volta. A Escocia procura seguir o seu caminho na Uniao Europeia enquanto a Inglaterra seguira caminhos diferentes em conjunto apenas com o Pais de Gales ja que a Irlanda do Norte e Gibraltar votaram pela permanencia na Uniao Europeia.

Creio que isto nao vai ficar por aqui, vai-se fazer um novo referendo e ai com o povo bem mais informado e a ameaca do fim do Reino Unido caso a votacao se volte a mostrar favoravel a saida em um segundo referendo estou certo que o resultado sera diferente sobretudo tambem pela queda da Libra muitos ingleses oico reclama-los que este ano para fazerem ferias terao de gastar bem mais dinheiro devido a libra ter perdido o valor. Notei que a Libra em relacao ao Euro na manha do referendo valia 1.24 no dia seguinte valia 1.17 e chegou a estar a 1.14 euros por Libra.

Caro(a) leitor(a) sou um dos que se sentiu a mais neste Pais apos ver o fim do referendo depois de quase 20 anos vejo a recompensa que tenho pela parte deste povo e fico triste com isso. O caminho agora sera simples tenho que me legalizar quando assim for exigido. Apesar de tudo e de nunca ter pedido nacionalidade britanica aconteca o que acontecer nunca deixarei de sentir um carinho especial por esta terra e sobretudo por alguns amigos britanicos que fiz quase em 20 anos que levo desta vida. Ate a proxima, abraco.

                                                                                                              Manuel Goncalves

































Sem comentários:

Enviar um comentário