sábado, 26 de janeiro de 2019

A Aluna



So mesmo com ele ninguem o mandava ser assim de mesmo sem querer arranjar complicacoes de todo o tamanho e agora como ia sair daquele problema, seguir em frente, matar o desejo de estar com ela e seguir a sua vontade?

O outro caminho era desligar-se de tudo esquece-la e dizer-lhe que nao o procura-se mais, dizer-lhe que tinha desistido de estar com ela e dizer-lhe que nao queria estar com ela porque ela era nova demais e menor? Nao era isso que ele queria fazer mas sabia bem que se fosse com ela estaria a cometer um crime grave de pedofilia.

Ele estava sozinho, morava sozinho e era bem visto por toda a gente no bairro nao podia deixar-se cair no erro e asneira de ver o seu nome cair na lama e a sua profissao tambem nao o permitia sabia que se tudo fosse descoberto ele certamente era mais que certo acabar preso e quando acabasse de cumprir a pena iria ver-se sem emprego, trabalho, meio de sobrevivencia e sustento. Dar explicacoes, viver disso era o mesmo que preparar-se para morrer de fome.

Era Professor de Historia naquele colegio particular ali perto de casa e ela era sua aluna que embora inteligente nao tinha de facto boas notas e aptidao para aquele tipo de disciplina e materia. Era uma Aluna acima de mediana, com notas altas em algumas disciplinas e com um comportamento exemplar. Ele lamentava que aquela aluna nao conseguisse socializar-se tao bem como os outros com ele mas quando nao gostavam daquilo que ele ensinava, tinha de ensinar mesmo era mesmo assim.

Tinha um estilo de vida normal e nada lhe podiam apontar-lhe era um Professor exigente e em certa altura denunciara uma aluna que o quisera subornar com uma oferta de sexo em troca do mesmo lhe subir a nota para assim ela ter o caminho para a universidade mais facilitado. O resultado foi ele pedir um tempo para pensar e na proxima aula quando terminaram pediu para falar com a mesma aluna em particular novamente. Nao era nada de suspeito ela quando se oferecera a ele fizera o mesmo e calculara que ele tivesse uma resposta para lhe dar. O resultado final e que ele simulara que aceitara a proposta, combinaram as negociacoes e marcaram um encontro de seguida quando terminaram o que Rogerio fez foi ir dirigir-se de imediato ao Conselho Directivo do liceu e apresentar a conversa que tinha gravado com uma micro-camera.

Na altura fizera-o porque ele precisava de mostrar nao so trabalho mas tambem merito e valor, queria subir, subir na herarquia, queria tornar-se Director da disciplina que lecionava naquela escola e queria terminar a dar aulas no Ensino Superior.

Actualmente as coisas eram diferentes e ele olhava Diana de uma forma diferente que olhava para aquela antiga aluna que acabara por ser expulsa daquele colegio e ele ganhara a confianca total do Director e fora-lhe oferecido nao so o cargo de ficar a frente da Disciplina de Historia no colegio e a coordenar tudo o que fosse relacionado com a mesma materia como acabou por ser convidado para ocupar um lugar na direccao do mesmo. O cargo na direccao recusou-o porque isso tornava a sua saida do colegio mais dificil e ele nao tencionava ficar ali muito tempo, queria mais, queria ser Professor Universitario.

Sai-a do colegio e ia para casa, cozinhava qualquer coisa, adorava cozinhar e depois de Jantar ficava um tempo frente a televisao entretanto era chegada a hora de ir ate ao cafe por a conversa em dia com os clientes habituais do mesmo que tinha como amigos.

Aquela rotina estava a torrnar-se constante e repetitiva como tal cansativa podia nao parecer mas sentia que lhe faltava algo, algo diferente e sabia bem o que era. Estava quase com trinta anos e nunca tivera um caso de namoro serio. A familia e os amigos quando ia a terra de onde era natural numa aldeia do interior, lugar tipico da provincia que muitos pareciam esquecer ou insistiam em nao lembrar perguntavam-lhe para quando o casamento e ele ainda nem sequer arranjara namorada.

Sentia sobretudo a falta de sexo e essa quando chegara a Lisboa ainda nos tempos de universidade era culmatada com as raparigas do tecnico quando havia mais dinheiro porque essas eram mais finas, as mais rafeiras do Bairro Alto ou mesmo as mais baratuchas do Intendente. Nos ultimos tempos tudo mudara e ele agora era mais de procurar os spas mais luxuosos de Lisboa e realmente nas ruas tudo mudara o Intendente era agora reduzido a meia duzia de estrangeiras de Leste, Africa, brasileiras e por fim mais em uso portuguesas velhas ou mais novas drogadas que estavam ali a ressacar ou a arranjar sustento para o vicio.

A ideia surgiu quase do nada se ele so queria um momento de aventura sem se estar a expor tanto publicamente e andar na rua em areas vermelhas a procura de uma rapariga que lhe pudesse ajuda-lo no que ele queria em troca de dinheiro quase que como um cao atras de uma cadela e ele nao queria que fosse assim, pela internet era sem duvida mais discreto e ate surgir alguem com quem pudesse manter uma relacao seria se fosse uma vontade mutua, de duas pessoas nada o impedia de procurar relacionamentos daquele tipo.

O anuncio estava colocado e ele fora bem claro procurava alguem entre os 18 e 30 anos que estivesse a procura de uma oportunidade de fazer um dinheiro extra em troca de encontros sexuais com ele. Nada podia ser mais claro e explicivicativo para demostrar o que ele queria e procurava, nada de serio, uma troca por troca.

Recebeu alguns emails mas nao era bem o que ele pretendia e procurava. Algumas estavam longe, outras pelo que descreviam estavam somente interessadas no dinheiro que poderiam vir a arrecadar com isso, nao lhe agradavam. Comecara a notar que o anuncio tinha sido uma boa tentativa mas completamente fracassada.

Diana estava estranha, diferente e ele notara isso ja a alguns dias. Cumprimentava-o na escola, estava mais atenta a sua aula e na cantina na hora do almoco chegara mesmo a procurar sentar-se junto do mesmo. Ele inicialmente ate poderia suspeitar que era uma tentativa da mesma para ver se conseguia um favor dele ainda que de forma inofensiva ele lhe subisse um pouco a nota. Ele sabia que nao era isso porque nos ultimos tempos ela parecia ser mais esforcada na sua materia, mais atenciosa na aula e tivera uma boa nota no ultimo teste que lhe permitia nao necessitar de qualquer favor para que a sua nota fosse subida numa troca de favores.

Ele comecara a notar em email de uma tal Diana e ate achou a sua graca mas achou que havia mais marias na terra no entanto deixou de responder a todas as respostas do anuncio para se dedicar so a ela, Era com ela que ele queria estar no entanto estranhou a mesma ter comecado por perguntar se ele nao se importava que ela fosse mais nova.

Ele colocara no anuncio que procurava alguem entre os 18 e 30 anos sabia que em idade inferior podia ser considerado crime e pedofilia depois de muitas mensagens trocadas ela confessou-lhe finalmente ter somente 15 anos e ser de Cascais era de ali perto ao contrario de outras.

Mantiveram o contacto mesmo assim ja estavam demasiadamente ligados para voltarem atras e depois de um receio inicial e ter feito uma pesquisa ele ficou a saber que sendo consentido o sexo podia ser praticado a partir dos 14 anos em Portugal nao sendo considerado crime. Mesmo assim ele estava na duvida. Era Professor nao podia vacilar assim sem mais nem menos certamente iriam de imediato pensar com quantas alunas ele nao tinha andado ou com quantas nao tinha desejado andar.

Era uma manha de sabado e depois de uma arrumacao em casa decidiu ir ate ao Arquivo Nacional ver uns documentos que queria analisar para o trabalho que estava a fazer e lhe podia dar acesso a um lugar como Professor na Universidade como ele queria. Ao voltar depois de almoco tinha um novo email dela onde lhe pedia uma foto, prometeu-lhe enviar uma se ela lhe enviasse primeiro. Tinha de agir com toda a seguranca, tinha razoes para isso mas calculou que ela nao ia aceitar.

Ela aceitara e talvez fosse bem melhor se nao aceitasse se apesar de muita conversa que ja tinham tido acabassem por ficar por ali. Estava em estado de choque, ela era a Diana, a Aluna que lhe andava a tirar do serio e a dar a volta a cabeca.

Comecara a elaborar uma Historia para ela tal como ele ter conhecimento de toda a verdade, nao se sentia com capacidades para guardar toda aquela Histora so para ele, nao conseguia aceitar a ideia de morrer com aquele segredo e ao mesmo tempo perguntava-se como iriam ser as coisas depois dela descobrir toda a realidade.

Chegara a escola e ja tinha criado o seu plano depois de almoco iria dar aulas a turma de Diana a sala de aulas era a mesma onde aquela turma tinha estado anteriormente. O plano estava bem elaborado mas ele tinha que agir com cuidado e a ideia era ir a sala de aula e retirar da mochila de Diana aquilo que ele queria.

A aula ia comecar e ele foi adiantando que alguns alunos nao lhe tinham entregue o trabalho sobre a Pre-Historia aquele dia era o limite do prazo, quem nao o entregasse corria o risco de ver a nota descer e ate vir a reprovar o ano aquele era um trabalho muito importante e contava muito para a nota por isso fora dado como um trabalho individual e nao um trabalho de grupo e...

A voz do Professor fora abafada pelo grito de Diana de desespero, tinham-lhe roubado o trabalho, ele estava ali na mochila. Em lagrimas Diana estava em panico e entrara em completo desespero, nao podia repetir o ano, nao queria repetir o ano. Rogerio aproximou-se e calmamente lhe disse que no final da aula falariam em privado. Havia uma solucao.

Rogerio prometeu ajudar Diana se a mesma tivesse uma copia do trabalho em casa, ela respondeu que sim mas em casa no seu PC e entao ele dera-lhe o seu email escrito num papel e naquela noite ela iria enviar-lhe uma copia para o email dele. Ela pegou no papel com o email e nem reparou no que continha escrito mas passou-lhe o dela para ele nao pensar que era spam se o mesmo fosse para o caixote do lixo do mail box. Ele estava cansado de saber o email dela mas guardou carinhosamente e religiosamente aquele papel que somente tinha escrito o seguinte dianaaotelm@gmail.com e ficou na expectativa de ela descobrir por si propria que o email com quem trocara as mensagens depois de ver o anuncio no site de encontros era o mesmo que o dele.

Rogerio ficara curioso em saber que sendo Diana filha de boas familias e com posses financeiras o que levara a mesma a procurar aquele site e a responder ao seu anuncio na tentativa de arranjar algum dinheiro extra. Ele no arquivo dos alunos na escola tivera oportunidade de observar que ela era filha de um Medico e de uma Enfermeira veio a saber que a mesma era filha unica portanto deveria ter tudo quanto queria por parte dos pais. Tudo talvez apenas lhe faltasse alguma atencao.

Tinha razao Diana passava os dias nao que fechada em casa mas sempre, quase sempre, completamente sozinha apenas tinha por vezes a companhia da Empregada que a Mae contratara para ir limpar a casa e passar a roupa a ferro e mesmo essa nao era para muitas conversas.

Diana tinha as amigas na escola e foi atraves de uma delas que conhecera o primeiro namorado e fora logo com ele ainda com muita imaturidade que perdera a virgindade a pouco mais de um ano. Isso tinha pouca importancia porque a virgindade tinha cada vez menos importancia no presente ela sabia que a maioria das amigas nao era virgem mas somente lamentava que as coisas nao tivessem sido como ela sonhara. Nao tinha havido cavalo branco e muito menos o principe romantico que a iria amar para o resto da vida.

So quando se sentara frente ao computador e que se lembrara do trabalho que tinha para enviar ao Professor Rogerio, o seu amado secreto, que a fizera comecar a prestar atencao as aulas de Historia como se sempre tivesse gostado da mesma materia. Era com ele que sonhava, era por ele que respirava e vendo a relacao ser impossivel. Ela era menor e alem disso ele era seu Professor, sentindo-se so e nao querendo uma relacao seria com ninguem comecou a procurar aquilo que poderia ser um amigo colorido e comecou a pesquisar em sites de namoro para adultos, sentia que estava a jogar um pouco arriscado mas nem ela sabia bem porque estava a fazer aquilo.

Depois de ver os seus emails sentiu pena que o seu pretendente nem lhe tivesse dado a mais pequena resposta depois dela lhe ter enviado a foto dela. Sentira que nao fora por culpa da foto, isso nao, Podia ter sido por ele ter desistido por completo da ideia de ter algo com uma rapariga menor de idade e sentia estranho que nem chegara a saber o que ele fazia na vida.

Diana finalmente lembrou-se do trabalho de Historia depois de algo a ter acordado e a ter trazido de novo a realidade e foi a mochila buscar o papel onde o email do "Principe Encantado" no seu imaginario estava apontado na realidade era o Professor de Historia e so entao leu o emai. Nao podia ser verdade, o dia estava cheio de surpresas ja nao bastava o trabalho ter-lhe sido roubado ficara a saber que o email do Professor ou do "Principe Encantado" era o mesmo que o do Autor do anuncio a que ela respondera.

Estava explicada a razao pela qual o mesmo nao lhe dera resposta desde que vira o email que ela lhe enviara com a sua foto. Estava tudo mais do que explicado e ainda ficara a admira-lo mais pelo facto de ele nao ter usado os emails dela para fazer chantagem, para a tentar seduzir ou algo do genero. Rogerio, o Professor Rogerio era mais do que um Gentleman.

Iam ter que falar abertamente e ela sentia que nao podia esperar o fim-de-semana passar, era sexta-feira, ate segunda-feira seria uma eterna espera. Enviou-lhe um email onde falava que ja sabia que ele e o tal Autor do anuncio eram a mesma pessoa, explicou-lhe algumas coisas em poucas palavras e confessou-lhe o quanto admirava ate ao momento e o quanto o iria ficar a admirar ainda mais.

Cedo, muito rapidamente, recebeu a resposta dele, certamente ele ja estava a espera que ela lhe enviasse um email e confessou-lhe entre outras coisas algo de que ela ja tinha a certeza. Tinha sido ele a roubar-lhe o trabalho de Historia da mochila e claro o mesmo ja estava apresentado e ate mesmo aprovado, mais do que aprovado. Acabaram por combinar um almoco no Centro Comercial do Cascais Shopping, ele iria a Cascais ter com ela.

O Principe chegara no local combinado no seu BMW vermelho e nao no cavalo branco como errantemente lhe contavam quando era crianca e ela lera nos livros de contos de fadas, ele estava encantadora, ela tambem. Cumprimentaram-se com um beijo na face tinham vontade, sentiam vontade de ir mais longe mas publicamente nao o podiam fazer todo o cuidado era pouco. Ele apesar de tudo era seu Professor de Historia e ela apesar de tudo ainda era menor.

Durante o almoco nao puderam deixar de rir e achar uma grande mas magnifica coincidencia tudo aquilo que apesar de tudo somente servira para os aproximar e faze-los demostrar o que sentiam um pelo o outro embora a ideia inicial nao fosse essa.

Depois do almoco foram dar um passeio e sempre galante como um gentleman Rogerio respeitou a sua amada, que embora menor era a sua amada desde a muito. Sorriram abracados e trocaram o primeiro beijo.

- E agora, como vai ser? - questionou Diana - Vamos que ter cuidado, dentro do colegio seras sempre apenas o Professor Rogerio.
- Sim e verdade, temos que tomar cuidado - beijou-a mais uma vez - so seu que vou esperar por ti o tempo que foi preciso.

Ela beijou-o e somente lhe perguntou onde ele tinha escondido o cavalo branco porque ja a estava a fazer viver um conto de fadas.

                                                                                                         Manuel Goncalves











4 comentários:

  1. Adorei o conto :) reparei no local do post... também vives no UK?

    Beijinhos,
    O meu reino da noite
    facebook | instagram | bloglovin

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio ao conto, se procurares encontras alguns ainda melhores se bem que este tem a particularidade de ter alguns pontos que nao sao ficcao.

      Sim tambem vivo no UK, no proprio local que viste descrito, bonita cidade.

      Eliminar
  2. Bastante bom parabéns!!!��
    Behindadarksuit

    ResponderEliminar
  3. Obrigado pelo elogio e continue a ler os meus contos porque tem ate melhores.

    ResponderEliminar