quarta-feira, 10 de junho de 2015

Movimento dos Sem-Terra do Brasil (MST)

 
    
Os Sem-terra do Brasil quem sao eles afinal? Muitas vezes associei esse grupo de pessoas a uma especie de raca tipo os ciganos ou os comparei com indios indignas que ainda hoje se podem encontrar em zonas como Amazonia e Pantanal.

Nas telenovelas quantas vezes nao vimos em telenovelas como O Rei do Gado e mais algumas ver temas relacionados serem aprofundados muitas vezes relacionando sempre o mesmo problema, invasao de terras. No entanto o problema dos Sem-terra nao passa apenas por ai vai desde de luta de classes, de posseiros, latifundiarios, reformas agrarias ou de ligas camponesas. Do que se ve na televisao nas telenovelas nao existe grande diferenca isso foi-me dito por varios amigos brasileiros alguns deles que ate viviam na roca, em fazendas e que ate vinham de meios relacionados e envolvidos com os Sem-terra.

No fundo analisando toda a situacao ve-sse que as pessoas deste Movimento Social e Politico procuram apenas um melhor modo de vida e isso penso que nao e de condenar quando se procura melhores meios de vidas por meios honestos por isso deu-me vontade estudar o tema, fazer pesquisas, elaborar a cronica e agora apresenta-la aqui no blog como fiz com todas as outras.


O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e um movimento com origens Politico-Sociais brasileiro que tem como intencao buscar a Reforma Agraria. Teve a sua implantacao e origem na oposicao ao modelo de reforma agraria imposto pela forca do regime militar, principalmente nos anos de 1970, que priorizava a colonizacao de terras devolutas ou seja abandonadas, desocupadas, vazias ou que nao estivessem cultivadas em regioes remotas, com  objectivo de criar exportacao de excedentes populacionais e integracao estrategica. Contrariamente a este modelo, o MST busca fundamentalmente a redistribuicao das terras improdutivas. E um grupo de fazendeiros que dividem seus lotes de terras com os mais pobres, e tambem dividem parte dos seus lucros mensais. Questoes do trabalhador do campo, cujo o objectivo principal e a luta pela criacao e realizacao da Reforma Agraria no Brasil. O MST teve origem na Decada de 1980, defendendo a expansao da fronteira agricola, os megaprojectos - dos quais as barragens sao um exemplo tipico - e a mecanizacao da agricultura em muito contribuiram para eliminar as pequenas e medias unidades de producao agricola e por sua vez concentrar a propriedade da terra.

Em termos paralelos, o modelo de Reforma Agraria adoptado pelo Regime Militar acabava pro priorizar a "colonizacao" de terras devolutas (terras publicas, ou seja, propriedades publicas que nunca pertenceram a um particular, mesmo estando ocupadas) em regioes chamadas remotas ou assim consideradas, como tal exemplo servem as areas ao longo da rodovia Transamazonica, com objectivo de "exportar excedentes populacionais" e favorecer a integracao e desenvolvimento do territorio, como estrategia. Esse modelo de colonizacao revelou-se no entanto, no entender de quem gere o movimento, inadequado e por sua vez tambem eventualmente catastrofico para centenas de familias, que acabaram abandonadas, isoladas em um ambiente inospito, condenadas a cultivar terras que se revelaram improprias ao uso agricola.

Nessa mesma epoca, intensificou-se o chamado Exodo Rural - abandono do campo por seus habitantes -, o que deu origem a migracao de mais de 30 milhoes de camponeses para as cidades, atraidos por um novo fenomeno desta vez a passar pelo desenvolvomento urbano e industrial, durante o chamado "Milagre Brasileiro" um certo periodo do crescimento economico brasileiro. Grande parte deles ficou desempregado ou subempregado, sobretudo no inicio dos anos de 1980, quando a economia brasileira entrou em crise (ja era de esperar o mesmo quando a procura e muito maior que a oferta acontece isso em qualquer parte do mundo). Alguns camponeses tentaram resistir nas cidades e outros se mobilizaram para voltar de novo a terra. Desta tensao, movimentos locais e regionais se desenvolveram na luta pela terra.

Em 1984, apoiados pela Comissao Pastoral da Terra, representantes dos movimentos sociais, sindicatos de trabalhadores rurais e outras organizacoes reuniram-se em Cascavel, Parana, no 1º Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, para fundar o que viria a ser o MST.

Apesar dos movimentos organizados pela Reforma Agraria serem relativamente recentes, remontando apenas Ligas Camponesas - associacoes de agricultores que existiam durante as decadas de 1950 e 1960 - o MST entende-se como herdeiro ideologico de todos os movimentos de base social camponesa ocorridos desde que os portugueses chegaram ao Brasil, quando a terra foi dividida em Sesmarias por favor real de acordo com direito Feudal Portugues, o que excluiu grande parte da populacao do acesso de direitos a terras. Contrariamente a esse modelo concentrador da propriedade fundiaria, o MST declara querer buscar a redistribuicao das terras.


O MST se organiza em 24 dos 26 estados brasileiros. Sua estrutura de organizacao se baseia em uma verticalidade iniciada nos seus nucleos (compostos por 500 familias) e seguindo pelas brigadas (grupo de ate 500 familias), direccao regional, direccao estadual e direccao nacional. Paralela a esta estrutura existe outra a dos sectores e dos colectivos, que buscam trabalhar cada uma das frentes necessarias para a \Reforma Agraria verdadeira. Sao sectores do MST: Saude, Direitos Humanos, Genero, Educacao, Cultura, Comunicacao, Formacao, Projectos e Financas, Producao, Cooperacao e Meio Ambiente e Frente de Massa. Sao colectivos do MST: juventude e relacoes internacionais. Estes sectores desenvolvem alternativas as politicas governamentais convencionais, buscando a perspectiva camponesa.

A organizacao nao tem um registo legal por ser um Movimento Social e, portanto, nao e por isso obrigada a prestar contas a nenhum orgao do Governo, como qualquer Movimento Social ou Associacao de Moradores. Entretanto, ha o questionamento de boa parte da opniao publica brasileira de que se o MST e um Movimento Social e nao tem personalidade juridica, nao poderia receber recursos publicos, sejam eles directos ou ate indirectos, como se tem provado nos ultimos anos.

A maior instancia da organizacao e o proprio Congresso Nacional, que acontece de cinco em cinco anos. No entanto, este congresso serve apenas para fazer as ratificacoes das directivas - nao e portanto um momento de decisoes. - Os coordenadores e os proprios dirigentes nacionais, por exemplo, sao escolhidos no Encontro Nacional, que por sua vez acontece de dois em dois anos. A Coordenacao Nacional e a instancia operacional maxima da organizacao, contando com mais de uma centena de membro habitualmente sao cerca de 120 membros. Embora um dos principais dirigentes publicos do movimento seja o Economista e Activista Social Joao Pedro Stedile, a organizacao prefere nao rotular alguem com o titulo de principal Dirigente, numa forma de evitar assim o personalismo. O MST adopta o principio de direccao colegiada, onde todos os dirigentes tem o mesmo nivel de responsabilidades.

O movimento recebe apoios de organizacoes nao governamentais e religiosas, dentro do proprio pais e do exterior, interessadas em estimular a mesma Reforma Agraria e a propria distribuicao de rendas em paises em desenvolvimento. A sua principal fonte de financiamento e a propria base de camponeses ja assentados, que vao contribuindo da forma que podem para dar continuidade ao movimento.

O MST se articula junto a uma organizacao internacional de camponeses chamada Via Campesina, da qual tambem fazem parte o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e agricultores da Europa, Africa, Asia e America. A Via Campesina tem como objectivo organizar os camponeses em todo o mundo. A mesma organizacao tambem esta vinculada com outras nacionais e internacionais, como a Via Campesina Brasil, que reune alguns dos movimentos sociais brasileiros do campo, e a contra a ALCA.


O Instituto Nacional de Colonizacao e Reforma Agraria (INCRA) analisa se as terras ocupadas sao ou nao produtivas. No caso de serem improdutivas os Sem-terra podem ser assentados, ou seja, recebem a posse das terras; no caso da Propriedade Rural ser produtiva, e expedida uma ordem judicial de reintegracao de posse. Na maioria dos casos, os camponeses se retiram sem causar problemas de maiores danos. Porem, muitas vezes tambem o grupo invasor se recusa a cumprir com o mandato judicial de reintegracao de posse, sendo que desta forma sao desalojados atraves da forca policial.

O que as terras produzem e medido pelo INCRA atraves do indice de Produtividade Rural de 1980, baseado nas informacoes do Censo Agropecuario de 1975. Segundo o Artigo 11 da Lei Federal 8.629 de 1993, "os parametros, indices e indicadores que informam o conceito de produtividade  serao ajustados periodicamente, de modo a levar em conta o progresso cientifico e tecnologico da agricultura e desenvolvimento regional". Os defensores e simpatizantes da Reforma Agraria defendem a actualizacao do Indice de Produtividade Rural, porem enfrentam uma grande e forte resistencia de sectores parlamentares.

Em Marco de 2009 o Presidente do Supremo Tribunal Federal, o ex-Advogado, Professor, Magistrado e Jurista Gilmar Mendes, criticou os repasses de recursos dos orcamentos que acabam beneficiando o MST, financiando assim as invasoes (ou ocupacoes como dizem os seus integrantes - talvez o sinonimo "ocupacao" seja do ponto social mais acessivel de se aceitar do que "invasao" em portugues falado) promovidas pelo movimento. Instalada a polemica o Tribunal de Contas da Uniao comprovou que 7, 3 milhoes de reais do orcamento da educacao destinado a ANCA (Associacao Nacional de Cooperacao Agricola) em 2003 e 2004 foram destribuidos a secretarias regionais do MST em 23 estados. Os advogados da associacao seguiram questionando essa decisao na justica federal. 

No entanto em vista da CPMI instaurada em 2009 para investigar supostos repasses de recursos publicos a entidades que estariam ligadas ao MST, representantes do Movimento Social acabariam por sugerir que fosse realizada igualmente uma ampla investigacao tambem de entidades ruralistas, como a OCB, CNA, SRB e igualmente os recursos publicos repassados a entidades como o SENAR e SESCOOP que tem sido utilizados para finalidades diversas da autorizada pelas leis nacionais. No fim do CPMI o relatorio e que nao foram constatados qualquer desvio de verbas publicas pelas entidades investigadas.

Ja em 2012, o Governo Municipal de Guilherme Menezes, trabalhando com recursos do INCRA, iniciou um novo projecto para trazer agua para os Assentamentos de Caldeirao, Cipo, Mutum, Baixao e Arizona.

Ainda em Outobro de 2011, jovens do MST ocuparam a Secretaria de Educacao do Estado da Bahia, ficando na area do Predio da INCRA, para revindicar melhorias na educacao. Entre os lideres encontravam-se Edinora Maria Vera Brito e tambem Rita de Cassia Brito Santos. Como resultado dessa ocupacao, uma escola do ensino medio, Colegio Estadual do Campo Lucia Rocha Macedo, foi instalada no Assentamento Caldeirao, Municipio de Vitoria da Conquista. No Assentamento de Lagoa e Caldeirao, vinculada a escola, foi instalado um projecto de informatica do GESAC, com recursos do Governo Federal. Depois dessas mudancas positivas, o Prefeito de Vitoria da Conquista, Guilherme Menezes, acabou por ser reeleito com apoio do poder do MST no municipio.


O MST reivindica representar uma continuidade na luta historica dos camponeses brasileiros pela Reforma Agraria.

Os actuais governantes do Brasil tem origens comuns nas lutas Sindicais e populares, e portanto compartilham em maior ou menor grau das reivindicacoes historicas deste movimento. Segundo outros autores, o MST e um movimento legitimo que usa a unica arma que dispoe para pressionar a sociedade para a questao da Reforma Agraria - a ocupacao de terras e a mobilizacao de grande massa humana.

O MST procura organizar as familias assentadas em forma de cooperacao produtiva com vistas a tentar melhorar as suas condicoes de vida. Entre centenas de exemplos que deram certo e foram sucesso no Parana e Santa Catarina, no Sul do Brasil, destaca-se particularmente a COOPEROESTE, Cooperativa Regional de Comercializacao do Extremo Oeste LTDA, com a sua sede localizada em Santa Catarina. Ha tambem ainda o exemplo bem sucedido da COAPAR, Cooperativa de Producao Agropecuaria dos Assentados e Pequenos Produtores da Regiao Noroeste do Estado de Sao Paulo, em Andradina, no interior de Sao Paulo. Embora com razao social de empresa no regime de Sociedade Limitada, funciona na realidade como um verdadeiro condominio produtivo. A criacao de cooperativas e estimulada, embora as familias que hoje estao assentadas nao sejam de todo ou modo algum obrigadas a trabalhar em cooperativas.

Dados colectados em diversas pesquisas demostram que os agricultores organizados pelo movimento tem conseguido usufruir de melhor qualidade de vida que os agricultores nao organizados.

O MST mantem tambem a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) com sede em Guararema, a 60 quilometros da cidade de Sao Paulo, e construida por assentados, em regime de mutirao, usando materias de construcao obtidos obtidos in situ - tijolos de solo cimento, fabricados na propria escola. Alem de serem mais resistentes, faceis de assentar e dispensarem do proprio reboco, esses mesmo tijolos requerem de menor uso de energia (sao levados para secarem ao ar livre) e de outros materiais, como ferro, aco e cimento, gerando uma economia de 30% a 50% em relacao a edificacao tradicional. Organizados em brigadas, os assentados ficavam cerca de 60 dias trabalhando na construcao da mesma escola e, nesse periodo, passavam por cursos de alfabetizacao e supletivos. Em seguida, retornavam aos seus estados, dando lugar a uma nova brigada. As obras da ENFF tiveram seu inicio em 2000. Actualmente a escola tem cursos em varios niveis, desde alfabetizacao ate o nivel medio, incluindo Administracao Cooperativista, Pedagogia da Terra, Saude Comunitaria, Planejamento Agricola, Tecnicas Agroindustriais. Os professores da escola geralmente provem de universidades e escolas tecnicas conveniadas. Ha tambem voluntarios.

No ano de 1997, o MST conseguiu criar o Assentamento Conquista do Rio Pardo, tambem conhecido como Arizona localizado no Municipio de Vitoria da Conquista na Bahia. Actualmente Fabricia Ribeiro Olivieira, Alessandra Ribeiro e Ana Cleia Olivieira Queiroz sao lideres do assentamento na area da computacao.


Muitos sao os criticos do MST que acabam por considerar que estes assentamentos, dependentes sobretudo do financiamento governamental, no que seria uma tentativa de preservar uma agricultura de Minifundios em regime de producao familiar economicamente inviavel diantes das pressoes competitivas da globalizacao, que exigiram o desenvolvimento do Agronegocio. Em resposta, o MST aponta para o facto de que o agronegocio tambem tem dependido de condicoes artificialmente  favorecidas - fortes subsidios e creditos governamentais - para produzir frequentemente em condicoes ambientavelmente insustentaveis, ecologicamente danosas e socialmente excludentes. Em contrapartida, o movimento ressalta os ganhos politicos e sociais decorrentes da insercao produtiva dos seus assentados.

Apesar de varias tentativas bem sucedidas em ambito nacional no estabelecimento e organizacao de assentamentos produtivos, o MST tambem sofre eventualmente problemas tipicos dos movimentos politicos do Brasil. No Assentamento de Sao Bento (em Mirante do Paranapanema, Sao Paulo) lotes entregues aos Sem-terra acabaram por ser vendidos, o que e proibido por lei. As acusacoes levantaram suspeitas de que Ivan Carlos Bueno (ex-Tecnico do INCRA e Membro da Direccao Regional do MST), recebera um lote ilicitamente e contratara um Sem-terra para trabalhar, sendo que, alem de o proprio Bueno nao se encaixar nos padroes socioeconomicos estabelecidos para receber o lote, e proibido tambem a contratacao de terceiros para trabalhar a terra recebida.

A Escola Nacional Florestan Fernandes, assim como todos os empreendimentos educacionais do MST, tem sido apontada pela midia como um foco de doutrinacao da Esquerda Revolucionaria. Em materia publicada em 2005 intitulada Madracais do MST, a revista VEJA, uma forte e ferrenha critica do movimento, comparou as escolas dos acompanhamentos do Estado de Rio Grande do Sul as Madracais (ou madracas) escolas religiosas islamicas, muito abundantes no Paquistao, que educam seus alunos atraves do estudo do Alcorao interpretado em termos fundamentalistas. Em 2004, as escolas do MST abrigavam 160.000 alunos, empregando 4000 professores.

Em 2002, o MST ocupou uma das fazendas do entao Presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso, no Estado de Minas Gerais, em um movimento que foi publicamente condenado pelo entao opositor da esquerda e lider trabalhista, Lula, que viria a ser o futuro Presidente do Brasil. Os danos foram diversos e  incluiram a destruicao de um tractor de colheitas, diversas mobilias da fazenda e tambem beberam todo o stock de bebida que estava na adega da fazenda. Mais tarde 16 lideres do MST foram julgados por violacao de domicilio, furto e carcere privado.

Em 17 de Junho de 2005, apos uma discussao sobre o que o Presidente Lula via como desnecessaria radicalizacao sobre as demandas do movimento, o MST fez uma marcha em direccao a capital Brasilia. Entre os dias os dias 11 e 15 de Junho de 2007, o MST realizou em Brasilia o seu 5º  Congresso Nacional.

Ainda em Abril de 2006, o MST invadiu novamente uma fazenda pertencente a Empresa Suzano Papel e Celulose que e a segunda maior produtora mundial de celulose de eucaliptos, no Estado da Bahia, devido a fazenda ter seis Quilometros quadrados de plantacoes de eucaliptos, que e tambem um tipo de arvores nao nativa e a sua especie havia sido culpada por desabilitar as terras em que sao plantadas, quando em pequena escala. Em 2011, a revista Veja descreveu que actividades como  roubo da madeira de eucaliptos estava a tornar-se vulgar, deu informacao de uma fonte militar de que 3000 pessoas ganhavam a vida no Sul da Bahia por esse tipo de praticas.


Em 2009 integrantes do MST ocuparam a fazenda de uma transnacinal em Santo Henrique, em Borebi, proximo a Iaras, Interior de Sao Paulo grilada pela CUTRALE. Derrubaram mais de 7000 pes de laranjas. A midia na altura falou na destruicao de 28 tractores, a sabotagem no sistema de irrigacao e a depredacao da sede da fazenda. A justica brasileira sem tomar conhecimento de que aquelas terras no momento invadidas e ocupadas perteciam a Uniao, ordenou de pronto a desocupacao do terreno, e entidades como o INCRA apressaram-se em condenar o ocorrido, a accao da justica foi amplamente criticada pela midia. O Presidente da Federacao da Agricultura e Pecuaria de Sao Paulo a respeito do mesmo disse que "a sociedade paulista deve ficar mais atenta aos desdobramentos dessas accoes, porque elas comprometem a propria existencia da demcracia". O entao Presidente da Republica Luiz Inacio Lula da Silva, tambem condenou os mesmos actos de vandalismo ocorridos na fazenda CUTRALE.

A Direccao Nacional do MST , numa nota publicada, em 9 de Outobro, admitiu a ocupacao de fazendas que, segundo afirmava, tem origem na Grilagem de terras publicas, tais como fora a ocupacao da fazenda da CUTRALE - empresa que controla 30% da producao mundial de sumo de laranja. Desde 2006, a justica analisa os titulos de propriedade da CUTRALE, visando verificar se as terras sao realmente publicas, como sustenta e afirma ser o MST.

A mesma nota publicada, em 9 de Outobro, afirma ainda que "nao houve depredacao nem furto por parte das familias que ocuparam a fazenda da CUTRALE" e que tais "desvios de conduta em ocupacoes, que nao representam a linha do movimento" tem acontecido por infiltracao de elementos estranhos ao MST, adversarios da Reforma Agraria. A entidade nao ofereceu, no entanto, qualquer prova destas alegacoes; a Policia Civil abriu um inquerito. Segundo o Delegado Jader Biazon, serao apurados os crimes de formacao de bando ou quadrilha, esbulho possessorio, dano e furto qualificado.


Noam Chomsky, um dos maiores linguistas, autores, filosfos e activistas politicos americanos da actualidade, discursou, em inumeras ocasioes, em favor e defesa do MST. Segundo Noam, existe uma clara ligacao entre o surgimento de favelas e a desigualdade na distribuicao das terras nos campos. O mesmo ainda afirmou que o "MST e o Movimento Popular mais importante e excitante!" durante o seu discurso no Forum Social Mundial realizado em Porto Alegre em Fevereiro de 2003.

Sebastiao Salgado, muito possivelmente o Fotografo brasileiro mais reconhecido internacionalmente pela sua arte e pela sua identificacao com algumas causas sociais relevantes, organizou em 1997 uma exposicao intitulada "Terra" em homenagem a luta do MST. O livro com as fotos da exposicao inclui quatro cds de Chico Buarque de Hollanda. O prefacio da mesma obra literaria e de autoria do Premio Nobel da Literatura portugues, Jose Saramago. O livro acabou por ser dedicado aos milhares de familias Sem-terra em todo o Brasil, cujo a situacao dos mesmo Salgado documentou em 1996. A exposicao foi vista em 40 paises e em 100 cidades brasileiras. O mesmo evento fotografico e fotojrnalistico constituiu o marco inicial das actividades na Universidade de Nottingham no Reino Unido da Inglaterra, do presente projecto e website, As Imagens e as Vozes da Despossessao, juntamente com um outro evento, Landless Voices, realizado em Setembro de 2001 na Universidade de Nottingham. No final do ano seguinte em Dezembro de 2002, como partes das actividades comemorativas da conclusao do projecto, a Universidade alentejana de Evora, em Portugal, conferiu ao mesmo Fotografo Sebastiao Salgado o Titulo de Doutor Honoris Causa.

Em 2005, o MST foi um dos doze agraciados com a Medalha Chico Mendes de Resistencia, premio entregue pela ONG brasileira Grupo Tortura Nunca Mais a "todos os que se destacam na luta pelos Direitos Humanos e por uma sociedade mais justa".

O Projecto "Terra Livre" foi anunciado no ano de 2006. Trata-se de uma homenagem da produtora independente Kate Cunnigham ao Movimento pela midia de documentario, seguindo as vidas de tres familias no Estado do Parana. O filme tambem tem uma serie de varias entrevistas com estudiosos e politicos que tem acompanhado o assunto e aos quais o tema dos Sem-terra nao e desconhecido. Entre os entrevistados se destacam: Joao Pedro Stedile; Miguel Rossetto, entao Ministro da Reforma Agraria; Roberto Requiao, Governador do Estado do Parana e Candidato as eleicoes presidenciais de 2006 e Rolf Hackbart, Presidente do INCRA.

O Auditorio Franco Montoro da Assembleia Legislativa de Sao Paulo foi palco do acto solene em homenagem aos 25 anos de existencia do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, no dia 12 de Agosto de 2009.

A Directoria da Associacao de Juizes pela Democracia (AJD) tambem prestou a sua homenagem ao MST em Sao Paulo. Um Magistrado comprometido com a transformacao social entregou no dia 3 de Dezembro de 2009 uma pintura representando a luta de Dom Quixote contra os "Moinhos da Opressao". Na actividade, representaram o MST os militantes Joao Paulo Rodrigues e Joao Pedro Stedile, de Sao Paulo e Joba Alves, de Pernambuco.

Ainda no mesmo ano de 2009 e 6 dias depois no dia 10 de Dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, a comissao de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro ofereceu ao MST  o Premio "Centenario Dom Helder Camara" por sua defesa dos Direitos Humanos e na organizacao da luta das mulheres pela Reforma Agraria e Soberania Alimentar. A Militante Nivia Regina recebeu o premio em nome do movimento. Igualmente no mesmo dia, o MST, tambem recebeu a "Medalha de Direitos Humanos Dom Helder" em homenagem na Camara Municipal na cidade de Olinda, Estado de Pernambuco.

O Coordenador do MST Joao Pedro Stedile recebeu a Medalha "Merito Legislativo", que e concedida a personalidades, brasileiras ou estrangeiras, que realizaram ou realizam servico de relevancia para a sociedade. A indicacao partiu do Deputado Federal Brizola Neto (PDT/RJ), Lider da bancada de seu partido na Camara, como forma de trazer a reflexao a luta pela terra e o uso que vem sendo feito dela. Para o Deputado, a indicacao e uma homenagem mais do que merecida. "A medalha sera um simblo para o Congresso Nacional, que tomou essa iniciativa, mesmo com alguns tentando criminalizar as accoes do movimento". Ele diz ainda que a contribuicao que Stedile deu ao pais e a luta que vem travando nesses anos todos pela terra.

Em 2013 recebeu o Premio Guernica para a Paz e Reconciliacao.


Ter escrito esta cronica ajudou-me a entender que por vezes mesmo vivendo de modo errante tal como o povo cigano os Sem-terra nao se fazem passar pelo menos como em Portugal os ciganos se fazem passar por"coitadinhos e marginalizados por uma sociedade discriminatoria" que muitas vezes com ofertas de trabalho que acabam por recusar preferindo ficar a viver do Rendimento Minimo Obrigatorio e isso que muitos ciganos fazem em Portugal.

Ao contrario desse conceito ainda que muitas vezes de forma ilegal e com meios menos dignos s Sem-terra procuram um terreno, um pedaco de terra devoluto para cultivar, para trabalhar e produzir assegurando assim o seu futuro. Nao condeno de forma alguma quem quer trabalhar, quem quer um pedaco de terra que esta abandonado.

Caro(a) leitor(a) em particular os leitores e leitoras do Brasil que sao de facto alguns espero sinceramente que a mesma cronica tenha sido do seu agrado como foi do meu escreve-la, ate a proxima.

                                                                                                             Manuel Goncalves


















 

2 comentários:

  1. O Brasil continua de facto a ter muitos problemas agrários. Embora possuindo territórios imensos, parte da população não tem acesso à terra para cultivo, o que provoca a migração para as cidades e o desenraizamento das pessoas. Embora as coisas tenham melhorado ultimamente, no Brasil há ainda muito por fazer. Gostei do teu texto, está muito completo

    ResponderEliminar
  2. Caroline tive e tenho varios amigos brasileiros que me falavam ja nesses problemas e a questao nao e so a falta de terra o que muitas vezes acontece e que o estado faz uma desapropiacao e os agricultores perdem tudo o que tinham.

    ResponderEliminar