segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Dia 13 de Novembro de 2015 e o Novo Massacre em Paris



Esta cronica parece-me o segundo capitulo do que aconteceu em Franca a 7 de Janeiro deste mesmo ano e embora os motivos na realidades possam parecer um pouco diferentes mas a autoria dos atentados e do massacre vem do mesmo lado assim como o palco da tragedia tambem nao muda, Paris, sem estar a querer parecer ofensivo nao sei se Paris nao deveria ser considerada a capital dos atentados terroristas em 2015 ja que criam capitais anuais para tanta coisa.

Ja semelhanca dos atentados de 13 de Novembro de 2015com os atentados de 7 de Janeiro de 2015 e muita e penso que muita coisa esta ainda por esclarecer nao apenas em relacao aos ultimos atentados mas tambem em relacao aos de Janeiro. Desta vez porem parece que o numero de vitimas e bastante superior com os de Janeiro e tambem acaba por nos tocar sentimentalmente ainda mais visto haver 3 portugueses entre as vitimas mortais  e julgo que segundo rumores e ai lamentavelmente um dos suspeitos ou terroristas envolvidos ser descendente de portugueses ja que a mae e portuguesa. Estes atentados parecem-me tambem bem mais sangrentos e com maior impacto ainda a nivel internacional para a imprensa internacional e se nada for feito creio que as coisas so podem piorar isto e um proximo atentado pode ser um verdadeiro genocidio.

Antes de iniciar a cronica em si como portugues quero prestar a condolencias as familias das vitimas portuguesas, sei que nao e facil mas tambem nao e impossivel que venham a ler isto portanto penso que o que na realidade interessa e a intencao e essa foi a melhor e ja foi demostrada.


Os ainda recentes ataques de Novembro de 2015 em Paris foi uma serie de atentados terroristas ocorridos na noite de 13 de Novembro de 2015 em Paris e Saint-Denis (e uma comuna francesa com 94.700 habitantes (2004) situada no departamento de Seine-Saint-Denis, na Regiao de Ile-de-France e famosa por ai se situar o Stade de France, um dos mais modernos estadios de futebol da Europa), na Franca. Os ataques consistiram em fuzilamentos em massa, atentados suicidas, explosoes e uso de refens. Ao todo, ocorreram tres explosoes de forma separada e seis fuzilamentos em massa, incluindo bombardeamentos perto do Stade France no suburbio ao lado Norte de Saint-Denis. O ataque mais mortal foi no famoso e conhecido Teatro Bataclan onde os terroristas fuzilaram varias pessoas e fizeram refens ate o inicio da madrugada de 14 de Novembro.

Pelo menos no total mais de 130 pessoas morreram e o numero tem tendencia a aumentar visto se algumas das vitimas em estado grave nao resistirem, 89 delas somente no Teatro Bataclan. Mais tarde 350 pessoas ficaram feridas nos ataques, incluindo 99 em estado considerado grave. Alem das mortes de civis, oito terroristas foram mortos e as autoridades no momento em que escrevo estas linhas continuavam a procurar quaisquer cumplices que permanecem em fuga. O Presidente frances Francois Gerard Georges Nicolas Hollande (1954) decretou um estado de emergencia nacional n Pais, o primeiro estado de emergencia declarado desde de 2005 (logo indica a importancia e impacto de que estes atentados foram de importancia superior aos de Janeiro), e colocou controlos temporarios sobre as fronteiras francesas. O primeiro toque de recolher desde 1944, tambem foi uma das medidas de seguranca postas em pratica, ordenando que as pessoas saissem das ruas de Paris.


Em 14 de Novembro, o Grupo Estado Islamico do Iraque e do Levante (ISIS - sigla em ingles) assumiu a autoria e a responsabilidade pelos ataques. De acordo com o jornal nova iorquino, Wall Street Journal, os ataques foram motivados pelo ISIS como uma "retaliacao" pelo papel da Franca e participacao na intervencao militar na Siria e no Iraque. Hollande tambem disse que os mesmos ataques foram organizados em territorio estrangeiro "pelo Estado Islamico e com ajuda interna", alem de descreve-los como "um acto de guerra".

Os ataques de 14 de Novembro foram os mais mortiferos que ocorreram em Franca desde a Segunda Grande Guerra. Eles tambem foram ja os mais mortais da Uniao Europeia (1957) desde os atentados de 11 de Marco de 2004 em Madrid, na Espanha. Os ataques aconteceram apenas um dia depois de outro Ataque Terrorista do ISIS em Beirute, no Libano, que matou 43 pessoas, um dia apos o assassinato de Mohammed Emwazi (1988- supostamente morto em 12 de Novembro de2015 ?) conhecido pelo nome de guerra de "Jihadi John", um dos membros do ISIS, e catorze dias apos a queda do Voo Comercial Kogalymavia 9268 com 224 pessoas a bordo (217 passageiros e 7 tripulantes) que saira do Egipto com destino a Russia no entanto viria a cair ainda no Egipto na penisula montanhosa e desertica de Sinai. A filial do ISIS no Sinai assumiu a responsabilidade pelo atentado. Antes do ataque, a Franca estava em alerta maximo desde o Massacre do Charlie Hebdo, em 2015, que matou 17 pessoas, incluindo civis e policias.


Dados do Ataque Terrorista em Paris, 13 de Novembro de 2015:

. Local: Paris e Saint-Denis, Franca:

1. Arredores do Stade France (Saint-Denis).
2. Rue Bichat e Rua Alibert (restaurantes Le Petit Cambodge e Le Carillon).
3. Rue de la Fontaine-au-Roi (Restaurante Casa Nostra).
4. Teatro Bataclan.
5. Rue de Charonne (Restaurante La Belle Equipe).

. Data: 13 de Novembro de 2015 (21h:16m hora local).
. Tipo de ataque: Assassinato em massa, ataque suicida e terrorismo.
. Armas:

                  . Fuzis AK-47.
                  . Granadas.
                  . Varios tipos de explosivos.

. Mortes: 139 (ate ao momento ou mais), 132 vitimas e 7 terroristas.
. Feridos: 350 +.
. Alvo(s): Desconhecido (presumidamente civis).
. Responsavel(is): Grupo Terrorista do Estado Islamico.

. Suspeitos:

. 7 militantes do Estado Islamico com coletes explosivos ; alguns com fuzis AK-47.
. 3 de Molenbeek, Belgica.
. Salah Abdeslam.
. Omar Ismael Mostefai (um Extremista frances).
. Ahmed Almuhamed
. Mohammed Almuhamed
. Abbdulakbak B.

Motivos: Fundamentalismo Islamico ; possivel retaliacao pela participacao francesa na intervencao militar na Siria e no Iraque.

As forcas da Forca Aerea da Franca tem estado fortemente envolvida na intervencao militiar na Siria e no Iraque desde de 19 de Setembro de 2014, conhecida pelo condinome de Operacao Chammal. Em Outobro de 2015, o governo frances atacou alvos na Siria pela primeira vez.

O Pais estava em estado de alerta para possiveis ameacas terroristas desde o Massacre do Charlie Hebdo, em janeiro de 2015 (em genero de analise final acerca do mesmo estado de alerta parece-me que de pouco serviu todo o cuidado e medidas de seguranca e dificil parar-se o mal quando esta dentro de nos, junto a nos enraizado junto a nos e digo isto porque muitas vezes os terroristas nao chegaram a Franca recentemente mas estao ai desde a muitos isto quando em alguns casos ate sao nascidos em Franca). A Franca tambem havia aumentado as medidas de seguranca em antecipacao da Convencao das Nacoes Unidas sobre a Mudanca do Clima, programada para ser realizada em Paris de 30 de Novembro a 11 de Dezembro de 2015. O Pais tambem tinha restaurado as verificacoes de fronteira uma semana antes dos ataques. Curiosamente a Sede do Charlie Hebdo fica no 11.º arrondissement da cidade, onde tambem fica o Teatro Bataclan, ambos os locais foram o palco principal dos dois atentados tanto no de Janeiro como agora no de Novembro deste mesmo ano.

O Grupo Terrorista Estado Islamico e as suas filiais tem reivindicado a responsabilidade por varios ataques mortais nas semanas que antecederam os ataques. Em 12 de Novembro de 2015, um duplo ataque suicida em Beirute, no Libano, vitimou mortalmente 43 pessoas. Em 31 de Outobro de 2015 o ja referido anteriormente voo Kogalymavia 9268, que transportava passageiros na grande maioria russos (212 passageiros, 7 tripulantes), ucranianos (4) e bielorussos (1) caiu no Sinai, zona montanhosa e desertica do Egipto, entre os golfos de Suez e Aqaba. A celula do Sinai do ISIS assumiu a inteira responsabilidade pela queda da aeronave. Alem disso, durante o dia dos ataques, o Carrasco do ISIS conhecido como  Jihadi John foi morto por um ataque de drones dos Estados Unidos e forcas curdas tinham vencido a Batalha de Sinjar contra grupos extremistas.


No total, aconteceram sete ataques distintos, compreendendo tres explosoes e seis fuzilamentos. As mesmas explosoes ocorreram perto do Stade de France, enquanto os tiroteios foram relatados nas imediacoes das ruas Alibert, Fontaine-au-Roi, Charonne, do Teatro Bataclan  no Boulevard Voltaire, da Avenue de la Republique e no Boulevard Beaumarchais.

. Rue de la Fontaine-au-Roi:

Varios tiros foram disparados contra o terraco de La Casa Nostra, um Restaurante de Comida Italiana na Rue de la Fontaine-au-Roi, ao Sul da Rue Bichat, por um homem empunhando uma metralhadora. O Procurador da cidade de Paris informou que cinco pessoas foram mortas e oito ficaram feridas. Uma Testemunha ocular relatou que as pessoas estavam sendo mortas por um atirador em "rajadas de tres ou quatro tiros".

. Rue de Charonne:

Dois atiradores dispararam durante varios minutos no terraco do La Belle Equipe, um restaurante na Rue de Charonne no 11º arrondissement, antes de regressar ao seu carro e por-se em fuga. A policia francesa confirmou que 18 pessoas foram mortas por homens armados que abriram fogo em direccao aos terracos ao ar livre do restaurante.

. Boulevard Voltaire:

Um outro Atirador detonou o seu colete suicida na Boulevard Voltaire, nas proximidades do Teatro Bataclan que viria a ser o palco de maior terror e sangrento destes atentados.

. Rue Bichat e Rue Alibert:

Os primeiros ataques ocorreram  nas ruas Bichat e Alibert, perto do Canal Saint-Martin, no 10º arrondissement de Paris. Os terroristas dispararam contra as pessoas que estavam na parte externa do Cafe Le Carillon. Eles entao cruzaram a Rua Bichat e atacaram o Le Petit Cambodge, um Restaurante de Culinaria Cambojana. De acordo com a policia francesa, onze pessoas foram mortas no restaurante e uma Testemunha disse que um dos atiradores gritou: "Allahu Akbar" ou seja "Deus e Grande".

Os terroristas supostamente fugiram em seguida em um ou dois veiculos apos os tiroteios. Um dos veiculos utilizados para a fuga tinha uma placa de identificacao da Belgica. Medicos e enfermeiros do Hospital Saint-Louis, que fica nas proximidades, estavam no Le Carillon no momento em que os ataques ocorreram e forneceram atendimento de emergencia aos feridos.


Tres explosoes ocorreram perto do Stade de France (e creio ate que talvez a intencao dos homens bomba fosse mesmo o interior do estadio), no suburbio de Saint-Denis, resultando em pelo menos cinco mortos. As explosoes aconteceram as 21:17, 21:30 e 21:53 (horario local) portanto com pequenos intervalos de espaco de tempo da primeira para a segunda somente 13 minutos se passaram e da segunda para a terceira pouco mais 23 minutos foram no entanto 36 minutos de terror, tragicos, sangrentos e mortiferos. Pelo menos 10 pessoas foram feridas ou motrtas em uma explosao em um bar perto do estadio as 21:30, cerca de 20 minutos apos o inicio de um jogo de futebol entre as seleccoes da Franca e Alemanha, uma partida amigavel onde o Presidente frances Francois Hollande estava presente a assistir a partida no estadio.

O primeiro Terrorista detonou seu cinto de explosivos ao tentar entrar pelo Portao J do estadio, matando pelo menos tres adeptos presentes nas proximidades diante de si. Hollande foi evacuado com seguranca durante o intervalo. O Presidente se reuniu de imediato com o seu Ministro do Interior, Bernard Cazeneuve para coordenar uma resposta a situacao de emergencia. Duas das explosoes foram ouvidas durante a transmissao televisiva ao vivo da partida (que se julgou inicialmente tratar-se do rebentamento de foguetes), mas os jogadores e o publico presente nao foram informados sobre o perigo e sobre o que se estava a passar ate ao final do jogo. Apos a partida terminar, os adeptos foram levados para o relvado para aguardar uma evacuacao, enquanto a policia fiscalizava todas as saidas ao redor do local.

Fontes de seguranca confirmaram que todas as tres explosoes foram atentados suicidas. O Wall Street Journal informou que pelo menos um dos atiradores tinha um bilhete para assistir ao jogo de futebol, mas foi impedido de entrar no estadio na verificacao de seguranca, no momento em que ele fez explodir o seu colete com explosivos. Os ataques ocorreram apenas sete meses antes da Franca ser escolhida como sede e palco do Campeonato Europeu de 2016 que sera realizado de 10 de Junho de 2016 a 10 de Julho de 2016.


No Teatro Bataclan, no Boulevard Voltaire no 11º arrondissement, os terroristas abriram fogo contra uma plateia que tinha uma audiencia de 1500 pessoas entre o publico que calmamente assistiam ao espectaculo musical e concerto de Rock da banda de Rock Alternativo estunidense Eagles of Death Metal. Apos cerca de uma hora de concerto, quatro homens vestidos de preto e segurando metralhadoras AK-47 entraram no salao.

Testemunhas dizem ter ouvido mais uma vez gritos de "Allahu Akbar" pouco antes dos extremistas comecarem a fuzilar a multidao de maneira calma e metotica. Uma das testemunhas oculares disse que viu individuos armados entrarem no Teatro Bataclan, sendo que dois ou tres homens sem mascaras dispararam indiscriminadamente contra a plateia. O ataque, o terror e o panico do mesmo durou cerca de 20 minutos, sendo que outras testemunhas relataram que os agressores terroristas tambem lancaram granadas contra a multidao. A Reporter de Radio Julien Pearce, que assistia ao vivo ao concerto, descreveu os agressores a CNN como estando calmos mas determinados, sendo que inclusivamente puderam recarregar suas armas com municoes tres ou quatro vezes.

Por volta das 22:00 horas, os homens comecaram a fazer refens, conforme ao mesmo tempo a policia reunia suas equipas com pessoal especializado do lado de fora da sala de concertos. Entre 60 a 100 refens foram levados. Os elementos da Banda escaparam sem ferimentos. Uma Testemunha que escapou do ataque disse de seguida a um Jornalista que havia cinco ou seis atiradores e que eles mencinaram a Siria. Uma das vitimas afirmou que um dos atiradores gritou tambem: "Isso e por causa de todo o mal feito por Hollande contra todos os muculmanos do mundo". Houve mais ataques registados contra a propria policia e socorristas que foram chegando ao local depois de relatos iniciais de fuzilamentos dentro do teatro. Um dos terroristas no Bataclan tambem tinha explosivos, de acordo com as afirmacoes do testemunho de um Oficial da Policia que estava presente na cena do crime.

Ja cerca de mais de duas horas mais tarde, por volta das 00:15 a policia entrou em accao iniciando um ataque apos ouvir-se relatos de que os atiradores tinham comecado a matar refens. O cerco terminou as 00:58. Os relatorios iniciais da policia indicavam que 100 pessoas foram mortas no teatro, no entanto, o numero foi posteriormente revisado para 87 (algumas fontes indicam 89). Quatro terroristas morreram, tres deles detonando seus coletes suicidas com explosivos. O quarto foi atingido por tiros da policia e seu colete explodiu quando ele caiu. O bairro inteiro ao redor da area foi fechado depois dos ataques. Os actuais proprietarios do edificio, que sao judeus (facto que nao deixa de ser curioso ja que a familia que gere o jornal Charlie Hebdo tambem e judaica, a familia de banqueiros Rothschild, e sendo a Franca Catolica e ao mesmo tempo esta sendo uma guerra provocada por muculmanos o alvos atingidos nao sejam os de maioria religiosa), afirmaram que o teatro ja tinha sofrido ameacas de ataques anteriormente.


O Presidente Hollande afirmou ja no dia seguinte aos atentados que os ataques haviam sido organizados em territorio estrangeiro pelo chamado Grupo Terrorista Estado Islamico do Iraque e do Levante com ajuda interna; o mesmo grupo terrorista assumiu a autoria dos atentados no mesmo dia. Passaportes sirios e egipcios teriam sido encontrados perto dos corpos de dois dos autores em dois locais atacados. Segundo o proprio Procurador Publico de Paris, Francois Molins (1953), sete extremistas foram mortos, embora as autoridades continuem a procurar outros suspeitos entre os quais os atiradores do restaurante. Os atiradores vestiam coletes suicidas com o explosivo TATP ou seja Triperoxido de triacetona (peroxido de acetona, peroxiacetona, TATP, TCAP) e um peroxido organico e um alto explosivo primario. Ele toma a forma de um po cristalino branco com um destacado cheiro acre.

. Tres atacaram o Teatro Bataclan vestindo roupas pretas e usando metralhadoras AK-47. Dois se mataram ao fazer explodir os seus coletes suicidas durante o confronto policial no teatro. O terceiro foi abatido com tiros da policia pouco antes do seu colete ser detonado.

. Tres homens-bomba detonaram seus coletes perto do Stade de France. Um passaporte sirio foi encontrado perto dos homens bomba, de acordo com a policia francesa. A autenticidade do mesmo passaporte foi questionada e muitos analistas apontaram para a tese de que muitos passaportes sirios podem ser facilmente obtidos. O Ministro da Proteccao do Cidadao na Grecia, Nikos Toskas (1952), anunciou que um dos titulares de passaportes sirios tinha passado por Leros em Outobro, mas os documentos e impressoes digitais ainda devem ser comparados para determinar se ele realmente passou pelo territorio grego, ou se conseguiu o passaporte ao longo do caminho. No entanto, um Oficial de inteligencia do governo dos Estados Unidos disse que o passaporte nao tinha um numero valido e a fotografia nao coincidia com o nome, o que sugere que pode ser uma farsa. Tambem foi relatado que um passaporte egipcio foi encontrado perto do corpo de outro homem-bomba.

. O setimo Terrorista detonou o seu colete no Boulevard Voltaire, perto do Teatro Bataclan.

Ataques:

. 13 de Novembro:

. 21:16 - Primeiro ataque suicida perto do Stade de France.
. 21:20 - Tiroteio na Rue Bichat.
. 21:30 - Segundo ataque suicida perto do Stade de France.
. 21:45 - Quatro terroristas entram no Teatro Bataclan e comecam a disparar.
. 21:50 - Tiroteio na Rue de Charone.
. 21:53 - Terceiro ataque suicida perto do Stade de France.
. 22:00 - Tomada de refens no Teatro Bataclan.

. 14 de Novembro:

. 00:58 - Ataque policial ao Teatro Bataclan.

Um dos atiradores foi identificado como sendo um Jihadista que tinha voltado da Siria para cometer actos terroristas. Outro era um Extremista frances, nascido em 21 de Novembro de 1985 no suburbio de Courcournnes, cerca de 32 Km ao Sul de Paris. Ele ja tinha um Registo Criminal desde de 2004 e foi marcado e apontado como sendo um Extremista Islamico em 2010, porem jamais chegou a ser preso. A midia francesa identificou este Atacante como sendo Ismael Omar Mostefai, descrito como um "jovem pai com raizes argelinas". Um outro Atirador foi encontrado com um passaporte de um homem sirio que tinha nascido em 1980. O homem no passaporte nao era conhecido pela policia francesa. Pelo menos um individuo com uma possivel ligacao com os ataques tinha entrado na Uniao Europeia atraves da Grecia como sendo um Refugiado sirio em Outobro, mas a policia grega nao descarta a ideia e hipotese que o mesmo passaporte em questao possa ter mudado de maos antes dos ataques. O Ministerio do Interior da Servia declarou que as caracteristicas do homem correspondiam de facto com as de um suspeito de terrorismo, identificado pelas autoridades servias como sendo Ahmed Almuhamed. Um outro homem foi identificado como sendo Abbdulakbak B.

Em 14 de Novembro, um dos carros usados pelos terroristas nos ataques foi parado na Fronteira Belgica-Franca e seus tres ocupantes foram de imediato presos. Mais tres pessoas foram detidas na Belgica. Tres equipas de terroristas executaram os ataques, de acordo com o Promotor de Paris. Eles tinham coletes explosivos com detonadores identicos. Um Terrorista contava ja com oito passagens pela prisao, mas nao tinha ainda sido ligado ao terrorismo. Um homem de 51 anos de idade de Montenegro foi preso uma semana antes na Alemanha, em 5 de Novembro, quando a policia encontrou revolveres, granadas e explosivos no interior do seu carro. As possiveis ligacoes entre este caso e o Estado Islamico na Franca estao sob investigacao. Um outro carro abandonado perto do Teatro Bataclan foi identificado como tendo uma multa de estacionamento emitida em Molenbeek-Saint-Jean, Um Distrito de Bruxelas, na Belgica.


O Presidente Hollande emitiu uma declaracao pedindo ao povo frances que permaneca forte em face de tais incidentes. Ele tambem visitou o Teatro Bataclan e prometeu lutar "sem piedade" contra o terrorismo. As autoridades exortaram os habitantes de Paris a ficar dentro de casa para sua propria seguranca. Hollande tambem cancelou sua viagem para a cupula do G20 na cidade de Antalya, na Turquia, por causa dos atentados, mas talvez por questoes de diplomacia mandou representantes e, seu nome e lugar. Em 14 de Novembro, o governo frances anunciou tres dias de Luto Nacional.

Como resposta aos ataques e por medidas de seguranca, a Franca foi colocada sob estado de emergencia nacional pela primeira vez desde 2005, suas fronteiras foram temporariamente fechadas e 1500 soldados foram chamados para ajudar a policia a manter a ordem em Paris. O "Plano Branco" (Ile de France) e o "Plano Vermelho" (Global), foram dois planos de contingencia para situacoes de emergencia, que foram imediatamente activados. Paris declarou seu primeiro toque de recolher em 70 anos, desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Voos com destino e saindo do Aeroporto Charles de Gaulle e do Aeroporto de Paris-Orly foram os principais a serem afectados. A Companhia Aerea American Airlines atrasou seus voos para Paris ate novo aviso. Muitas estacoes de Metro em Paris, nos 10.º e 11º arrondissements, foram fechadas por causa dos ataques.

Todas as escolas publicas e universidades parisienses foram fechadas no dia seguinte. Os eventos desportivos que ocorreriam na Franca no fim de semana de 14 e 15 de Novembro foram adiados ou anulados. O Parque de Diversoes Disneyland em Paris fechou seus parques, pela primeira vez na historia, em solidariedade com aqueles que morreram nos ataques; o Parque Tematico tinha sempre operado diariamente desde a sua abertura em 1992. A Torre Eiffel, um marco parisiense visitado por 20 mil pessoas por dia, foi fechada por tempo indeterminado.


O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (1961), prometeu conjuntamente com o Presidente frances Francois Hollande, a reforcar a cooperacao bilateral contra o terrorismo, na sequencia dos atentados em Paris. Obama chamou de "ultrajantes" os atentados e que essas accoes sao "ataques a toda a humanidade". O Presidente, pronunciando-se directamente da Casa Branca, lembrou dos atentados de 11 de Setembro de 2001 ao dizer que os americanos sabem como os franceses se estao sentindo. A antena da Torre do World Trade Center ficara iluminada por varios dias nas cores azul, branco e vermelho, em referencia a bandeira francesa. Andrew Mark Cuomo (1957) Governador de Nova Iorque, afirmou que este"[e um gesto de] solidariedade para com  povo de Franca, tal como eles fizeram conosco nos nossos tempos de tragedia", numa alusao ao 11 de Setembro de 2001.

A Chanceler alema Angela Dorothea Merkel (1954) mostrou-se chocada com os atentados afirmando que "nestas horas o meu pensamento esta com as vitimas destes ataques evidentemente terroristas, com seus familiares e com todos os habitantes de Paris".

O Presidente portugues Anibal Antonio Cavaco Silva (1939) enviou um telegrama ao Presidente frances em que demostra uma grande consternacao pelos ataques terroristas. "Foi  com grande consternacao que tomei conhecimento dos hediondos ataques terroristas, hoje, em Paris, e da perda tragica de um elevado numero de vidas", refere o Presidente Anibal Cavaco Silva, na mensagem dirigida na sexta-feira ao seu homologo frances e divulgada ao publico cibernauta e internautas no 'site' da Presidencia da Republica. "Peco-lhe que aceite, Senhor Presidente, a expressao da minha elevada consideracao e estima pessoal". Tambem do ainda Primeiro-Ministro da altura Pedro Manuel Mamede Passos Coelho (1964) e do ainda Lider da Oposicao da altura Antonio Luis Santos da Costa (1961) enviaram mensagens ao Presidente frances condenando os ataques, mostrando condolencias e solidariedade a Franca e para com o povo frances.

O tambem Presidente do Conselho Europeu, Donald Franciszek Tusk (1957), escreveu ao Presidente Hollande expressando sua crenca de que os ataques "um ultraje contra a Franca e contra a Europa como um todo" e afirmou que a Uniao Europeia esta em solidariedade com o povo frances. Martin Schulz (1955), Presidente do Parlamento Europeu, condenou os ataques, dizendo: "Neste momento terrivel nossos pensamento e simpatia estao com as familias e amigos das vitimas, em conjunto com as autoridades francesas e com todos os cidadaos franceses [...] Ontem, Paris foi brutalmente agredido  pela segunda vez em menos de um ano. Os terroristas queriam atingir  nucleo da Civilizacao Ocidental, os seus valores e seu povo. [...] No entanto, a Europa esta unida na luta contra o terrorismo, em nossa determinacao para rastrear as redes e todos aqueles que contribuiram para organizar esses actos terriveis e traze-los a justica. Nosso compromisso de defender os nossos valores de liberdade, igualdade, democracia e do Estado de Direito esta tao forte como sempre.

O Secretario-Geral da Uniao de Nacoes Sul-Americanas (UNASUL), Ernesto Samper Pizano (1950), disse que "o terrorismo e uma epidemia global que deve ser combatida com a solidariedade universal com as vitimas". Em um comunicado, a organizacao diz que a America do Sul expressa sua "consternacao com esta barbarie" que aconteceu em Paris e oferece "solidariedade" para com o povo frances. A Presidente brasileira Dilma Vana Rousseff (1947) enviou tambem igualmente uma carta a prestar e demostrar a sua solidariedade dirigida ao Presidente Hollande apos os ataques, alem de ter utilizado a sua conta na rede social Twitternpara se manifestar, dizendo: "Devemos combater sem treguas os actos hediondos cometidos em Paris. Reitero minha solidariedade ao presidente @FHollande e ao povo frances".

Ban Ki-moon (1944), o Secretario-Geral das Nacoes Unidas, condenou os ataques em Paris, ao classifica-los como sendo "despreziveis" e afirmar que confiava nas autoridades francesas para trazer os responsaveis a justica. Ban Ki-moon tambem estendeu suas condolencias as familias das vitimas e desejou uma rapida recuperacao para aqueles que foram feridos. Em um comunicado separado, os  15 membros do Conselho de Seguranca das Nacoes Unidas tambem condenaram os ataques considerando os mesmos como "barbaros e covardes" contra civis e inocentes.


Apos os ataques, varias estruturas e monumentos famosos ao redor do mundo foram iluminados com as cores da bandeira francesa, como o One World Trade Center, em Nova Iorque; a Tower Bridge, o Estadio do Wembley e a London Eye, em Londres; o Centro Civico de Sao Francisco, na California; a Torre CN, em Toronto; o Portao de Brandemburgo, em Berlim; a Opera de Sydney, em Sydney; o Century Link Field, em Seatle; El Angel de la Independencia, na Cidade do Mexico; a Torre Perola Oriental, em Xangai; a Torre de Kuala Lumpur, em Kuala Lumpur; o Palacio da Cultura e Ciencia, em Varsovia; o Matenadaran, em Erevan; a Prefeitura de Atenas, em Atenas; o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; Palacio do Planalto, em Brasilia; Taipei 101, em Taiwan; as Piramides de Queops, no Egipto; o Palacio de La Moneda, no Chile; a Torre Tokyo Sky Tree, em Toquio; a Prefeitura de Tel Aviv, em Telavive; entre outros pelo mundo fora como em Portugal na Torre de Belem em Lisboa e o Castelo dos Mouros em Sintra.

Em genero de analise ou opniao pessoal resta-me acrescentar isto para dizer o que penso depois do Estado Islamico ter dito publicamente que tinha infiltrado entre os refugiados pessoal seu e um erro uma Europa que quer cada vez mais combater o terrorismo manter as fronteiras abertas as refugiados sirios e aceita-los com demasiada facilidade nao sou contra a serem aceites mas penso que deveria haver muito mais controlo a esse respeito.

Caro(a) leitor(a) esta cronica esta prestes a terminar mas creio que ainda vai ter seguimento visto ainda haver muita coisa sob investigacao a envolver o mesmo acontecimento que deu origem a mesma cronica e tambem e minha intencao em tempos futuros procurar fazer uma cronica em forma de homenagem as vitimas mortais dos mesmos atentados, por agora resta-me desejar que tenha apreciado a mesma cronica assim como mais uma vez deu-me prazer escreve-la, infelizmente so as razoes e que nao sao tao boas, abraco e ate a proxima.

                                                                                                           Manuel Goncalves












1 comentário:

  1. Os acontecimentos dos últimos anos são realmente preocupantes e já há quem diga que estamos a ver o começo de uma Terceira Guerra Mundial. O Islamismo radical é perigoso, eu acho. Deus queira que as coisas não se agravem e que possamos todos viver em paz e sefgurança. Um abraço ao autor e espero o seu completo restabelecimento :)

    ResponderEliminar