quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Mikhail Cholokov um Grande Escritor ou um Grande Plagiador, Uma Duvida da Literatura Universal.



Sem duvida uma verdadeira duvida quando se estuda o tema. Nunca li nada do mesmo suposto grande Escritor e romancista e muito menos o livro que o mesmo para muitos tera plagiado, o Dom Tranquilo no entanto nao pude deixar de estudar o tema apos ter despertado interesse pelo assunto e considero que tudo aponta para o suposto escandalo de se ter em um grande Escritor um grande Plagiador.

Como pode ter sido possivel que um grande Escritor como Cholokov aparentava ser nao tenha conseguido calar as vozes que o acusavam continuando a escrever com a grande qualidade e capacidade com que escrevia ate entao e nao tenha continuado a escrever com o mesmo sucesso e ao inves disso tenha cada vez mais mostrado evidencias que quem o acusava dificilmente estava errado. E novamente como e possivel que um Escritor que escrevera tao rapido as suas primeiras obras depois tenha demorado 28 anos para concluir outra, Virgem do sol revolvido composto de duas partes: Sementes do Amanha (1932) e Colheita na Dom (1960) no entanto a suspeita mantem-se mas nunca nada se provou em concreto apesar de fortes evidencias terem sido apresentadas.

Antes de falar do caso e acusacao de plagio gostaria e penso ser correcto fazer uma pequena apresentacao e intrducao do Escritor.
                                                         

Mikhail Alexandrovitch Cholokov (Kruzhlino, 24 de Maio de 1905 - Kruzlino, 21 de Fevereiro de 1984) foi um Escritor e Romancista russo.

Mikhail Alexandrovitch Cholokov nasceu a 24 de Maio de 1905 na Russia, na pequena localidade de Kruzhlino no Territorio Cossaco de Kamenskaya.

Seu pai, Aleksander Mikhailovich (1865-1925), foi um Fazendeiro e Campones de classe media e Comerciante de gado, e sua mae Anastasia Danilovna Chernikova (1871-1942), era uma viuva de um Cossaco Campones, tinha origem ucraniana.

Ate certo ponto da sua vida, Cholokov nao chegou a ser alfabetizado, no entanto, o Escritor frequentou escolas em Kargin, Moscovo, Boguchar e Veshenskaya ate 1918, quando entrou para o lado dos bolcheviques na Guerra Civil Russa (1918-1925), com a idade de apenas 13 anos. Ele passou entao os proximos anos de sua adolescencia lutando na Guerra Civil Russa.

Recebeu o Premio Lenin em 1960 e o Nobel de Literatura de 1965.

Virgem do solo revolvido, que ganhou o Premio Literaria, Premio Lenin, levou 28 anos para ser concluido. Foi composto de duas partes: Sementes do Amanha (1932) e de Colheita na Don (1960) e reflete a vida durante a colectivizacao na area Don.

Antes de avancar para o assunto principal nao quero deixar de prestar um esclarecimento pois nao quero as pessoas que conhecem a obra e o Autor parecer que estou a revelar informacoes erradas assim como nao quero estar a induzir ninguem em erro. Existe de facto uma pequena controversia em relacao a naturalidade de Cholokov em que varias fontes apresentam diferentes nomes de locais e se na wikipedia a naturalidade do mesmo aponta ser Oblast de Rostov (que nao me parece ser credivel), ja num livro de grandes genios da Literatura Universal a naturalidade do mesmo afirma-se ser Veshenskaya no entanto ja no documento de pesquisa que usei para escrever esta cronica e tambem onde li pela primeira vez sobre o assunto a naturalidade do mesmo esta como sendo Kruzlino, acabei por escolher a ultima ja que foi no documento em que apresentava a mesma localidade como sendo a naturalidade do mesmo que recolhi os dados de pesquisa para escrever esta cronica.


O mais notavel Autor russo que surgiu desde a Revolucao de 1917, e sem duvida, Mikhail Alexandrovitch Cholokov, nascido na aldeia de Kruzhlino nas margens do Rio Don, em 1905. Tal como o seu conpatriota Gorky, Cholokov levou uma vida muito variada - Soldado, Faz-tudo, Estatista, Inspector e, depois, Comerciante de Produtos Alimentares, Pedreiro, Guarda-livros e, por fim, Jornalista - tudo isso antes de conseguir uma certa reputacao literaria, aos vinte e tres anos de idade, com o primeiro volume de Tikhi Don (traduzido para portugues pelo O Don Tranquilo). Comparado com grandes romances russos do Seculo XIX, parece estar cheio de <<metodos chocantes>>, do genero que se associa aos populares romances baratos em Inglaterra e nos Estados Unidos. O livro comeca com a descricao de uma cena em que a mulher de um Cossaco, de origem turca, e pisada por uma multidao que acredita que ela e uma Bruxa. Como consequencia de tal, morre de parto prematuro. Imediatamente a seguir, surge uma descricao em que uma rapariga de dezassete anos e violada pelo pai em consequencia disso e novamente com descricoes de violencia, o irmao e a mae matam-no a pontape. Seducoes, violacoes e diversas formas de violencia seguem-se com intervalos regulares. Mas a natureza da escrita e tao subtil como tudo no trabalho do Romancista Turgueniev.

O primeiro livro de Mikhail Cholokov, Historias do Don, surgiu quando este era um jovem de somente vinte anos. E interessante observsar que, nestas historias da Guerra Civil e  do periodo que entao se segue, os lideres das povoacoes sao retratados mantendo-se isolados do povo; mais tarde, quando aprendeu a Doutrina Comunista, o Escritor mostra-os ja de uma forma diferente e integrados no povo.

Cholokov comecou a trabalhar na obra que levantaria toda a polemica e colocaria as suas capacidades como Escritor em duvida, Tikhi Don, aos vinte e um anos. Quando o livro surgiu, dois anos depois - e se tornou num instante um Bestseller -, os criticos ficaram espantados com a forma de como alguem tao novo conseguia e era capaz de escrever numa forma tao convincentemente; vendeu finalmente quatro milhoes e meio de exemplares antes de o quarto volume aparecer, catorze anos depois. Admite-se geralmente que os ultimos volumes sao inferiores ao primeiro. Terras Desbravadas (1932), sobre uma herdade agricola colectiva, foi um sucesso na Russia, mas e considerado de nivel inferior em relacao aos volumes anteriores de Tikhi Don.

Imediatamente logo a seguir ao aparecimento do primeiro volume de Tikhi Don, em 1925, comecaram a espalhar-se boatos nos meios literarios de Moscovo, que entao afirmavam quase com toda a certeza e forte insistencia de que Cholokov nao era o verdadeiro Autor daquela obra literaria e que tinha encontrado o manuscrito ou entao um diario no qual depois ele mesmo baseou o livro. Em 1929, o Jornal Pravda um dos mais importantes jornais russos publicou uma carta aberta escrita e assinada por numerosos escritores proletarios que denunciavam a <<calunia maliciosa>>. Ameacavam mesmo avancar com a instauracao de um processo. Entretanto, Cholokov era entao considerado por todos como o Escritor russo mais importante do momento. Em 1965 e sem qualquer surpresa foi nomeado e recebeu o Premio Nobel da Literartura. Por essa altura, o Escritor tinha-se tornado representante do entao sistema sovietico na literatura , denunciando escritores como Pasternak e Soljenitsine e tomando uma posicao anti-intelecual completamente agressiva que fazia com que os jovens escritores talvez o temessem e o olhassem com aversao. Esse mesma aversao talvez aumentasse pelo sentimento de inveja que nutriam pelo mesmo perante o seu modo de vida numa grande propriedade em Rostov-no-Don, onde tinha um aviao particular e um teatro e onde cacava com regularidade.

Alexander Soljenitsine (1918-2008) (este conheco pela leitura do livro Um Dia na Vida de Ivan Denisovich), que foi forcado a partir para o exilio para Zurique na Suica, em 1974, trouxe da Russia uma quantidade de documentos sobre o trabalho de Cholokov, de um amigo que se identifica somente por <<D>>. <<D>>, segundo Soljenitsine, empenhou-se na analise literaria cuidadosa de Tikhi Don, mas morreu antes de a poder ou conseguir terminar. Soljenitsine explicou que nao poderia revelar o verdadeiro nome do tao misterioso <<D>>, com medo e receio de represalias contra a familia, mas publicou o manuscrito e fez um apelo aos eruditos ocidentais para o ajudarem a completar a investigacao.

A entao analise textual de <<D>> revelava dois autores diferentes de Tikhi Don: provavelmente uns noventa e cinco por cento dos seus dois primeiros volumes dos quatro volumes da coletanea pertenceriam ao <<Autor original>>, enquanto menos de setenta por cento dos dois segundos e ultimos volumes sao de sua autoria. O cepticismo de <<D>> surgiu nitidamente de facto de os dois primeiros volumes, que demostravam um conhecimento intimo da sociedade pre-revolucionaria na regiao de Don e descreviam a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e a propria Guerra Civil Russa, serem presumivelmente escritos por um homem entre os vinte e um e os vinte e tres anos de idade, Cholokov era demasiadamente jovem para ter testemunhado as duas guerras. Mesmo a velocidade de composicao e o ritmo de escrita parece algo incrivel - um romance de bem mais de um quarto de milhao de palavras tinha sido escrito em dois anos. No entanto levou mais catorze anos a completar os restantes dois volumes e a primeira parte de Terras Desbravadas, Cholokov parecia ter-se <<calado>>. As suas obras completas, editadas em honra do seu septuagesimo quinto aniversario, em 1980, elevam-se a uns meros oito volumes.

Novamente, segundo Alexander Soljenitsine (apresentando o livro de <<D>>, a fonte do Don Tranquilo), o verdadeiro Autor de Tikhi Don era um certo Historiador da regiao do Don, um certo Fyodor Dmitrievitch Kryukov, nascido em 1870, e filho de um Atama local (Lider da aldeia). Nos fins do Seculo XIX tinha conseguido uma grande popularidade ao descrever a vida dos cossacos e acabou por ser eleito para o Parlamento (Duma). Soljenitsine estava crente que ele tinha comecado a escrever a sua maior obra, Tikhi Don, em Petrogrado, durante a Primeira Guerra Mundial. Como Cossaco, opos-se aos bolchevistas, que alcancaram o poder em 1917, e lutou com o exercito do Don. Quando este acabou por ser derrotado, retirou-se para o Kuban e ai acabou por morrer vitima de Febre Tifoide aos cinquenta anos. A analise de <<D>> dos trabalhos anteriores de Kryukov e que nunca foram publicados pelo regime sovietico, convenceu-o de que ele era o verdadeiro Autor de Tikhi Don e que, na qualidade de Jornalista, Cholokov viria a encontrar de qualquer forma o manuscrito de Kryukov e usou-o como base principal para o seu proprio livro, omitindo capitulos inteiros quando via que os mesmos nao serviam para os seus objectivos e inserindo material da sua autoria. Este facto, segundo <<D>>, explica a irregularidade de estilo e diversas contradicoes internas.

Compreensivelmente, o ponto de vista sovietico e que Soljenitsine estava unicamente preocupado em difamar o nome e arruinar a carreira de Escritor de Cholokov que e considerado hoje o maior romancista sovietico por muitos. Mas se isso e verdade, pelo menos apresentou provas completas de modo a que o assunto possa ser abordado por estudiosos da literatura e especialistas que levem a decidir sobre a sua verdade.


Em genero de analise final como um simples amante da literatura e talvez ate possa vestir agora o papel de Critico Literario ainda que <<amador>> resta-me apresentar uma opniao pessoal entre os pros e os contras.

Mikhail Cholokov em sua defesa pode-se salientar o facto do mesmo talvez ter conquistado mais odios que amizades dentro do meio literario russo da altura mesmo entre grandes escritores como ele caso bem evidente de Alexander Soljenitsine. Em sua defesa igualmente pode-se salientar que o mesmo poderia ser demasiado maduro para a idade que tinha na altura da publicacao da obra e ja com certa experiencia de vida mais avancada que o normal. Quanto ao resto pode-se tambem acreditar que nao escreveu com tanta frequencia porque estava saturado ou cansado. Em sua defesa pode-se considerar que especialistas em escrita, psicologia, etc poderiam de facto analisar o livro Don Tranquilo e outras das suas obras e concluir se havia a hipotese de em vez de escrever Cholokov tivesse plagiado um livro copiando o mesmo de um certo documento e por fim em sua defesa tem o facto de Soljenitsine ter supostamente apresentado provas do que afirmava mas sempre ter-se negado a revelar a origem das mesmas fontes colocando o mesmo sob um tal de <<D>> que jamais revelou quem era.

Mikhail Cholokov contra a si mesmo tem o facto de nunca ter procurado realmente defender-se das acusacoes que lhe eram feitas. Contra si mesmo tem o facto de nao ter voltado a apresentar um romance nem de perto nem de longe com a qualidade do romance que originou toda a polemica. Contra si mesmo tem o facto de no fundo como se diz em bom portugues ter "enrolado o rabinho entre as pernas" e fugido um pouco a questao. Contra si mesmo tem o facto de parecer ser um Escritor que era de alguma forma protegido pelo regime e talvez por isso as coisas nao tenham avancado tanto contra o mesmo. Contra a si mesmo tem o facto de como alguem tao jovem escrevia de forma tao convincente e talvez ate mostrando e apresentando uma maturidade fora de comum e depois ter acabado por calar-se. Quem cala consente como se costuma dizer.

Na minha opniao pessoal creio que talvez Soljenitsine tenha sido demasiadamente duro e agressivo na forma acusatoria como acusou Cholokov parecendo querer mostrar um certo odio ou ate querer-se vingar de quem estava a acusar no entanto as suas acusacoes sao como alguns entendidos dizem crediveis o que me leva neste caso a dividir a minha opniao em 50% para cada lado, resta ao leitor(a) tambem ler o caso, pensar e tirar as suas conclusoes. Tambem esta e mais uma cronica que leva a Etiqueta Crimes sem levar a Etiqueta Justica e nem sei se e legitimo levar a Etiqueta Crimes. Se Cholokov e o Autor da obra entao nao cometeu nenhum crime mas ao mesmo tempo nao lhe foi feita justica de ficar com o nome limpo. Se Cholokov nao e o Autor do livro entao o que acontece e que alem de ter cometido de facto um crime de plagio acabou por nunca ser punido e condenado pelo que nao se pode considerar que tenha havido justica no caso em questao.

Caro(a) leitor(a) esta e mais uma simples cronica que quero compartilhar consigo espero que tenha sido do seu agrado e tudo farei para ter-mos aqui um encontro em breve, abraco e ate a proxima.

                                                                                                         Manuel Goncalves










 











3 comentários:

  1. Este é um tema apaixonante, sim. Eu creio que o Don Tranquilo foi realmente escrito por outra pessoa. Naquela altura, no meio da guerra civil, isso era perfeitamente possível. Não cheguei ainda a ler nenhuma obra do escritor, por isso não posso dar uma opinião mais concreta. Curiosamente, durante muitos anos, pensei que o "Don" era uma pessoa, afinal é um rio :)

    ResponderEliminar
  2. Caroline My Sweet honey Caroline como dizem os ingleses por as terras onde ambos estamos eu fico na duvida mas uma duvida mesmo em que dou 50% para cada lado.

    ResponderEliminar
  3. Mas tem piada somos ja dois a ser levados nesse engano eu tambem pensava que o "Don" fosse algum Nobre ou Cossaco Sovietico apesar de saber ja a existencia do mesmo rio. Penso se a culpa nao sera do famoso titulo portugues "Dom isto", "Dom aquilo" que leva as pessoas ao engano.

    ResponderEliminar